Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alma-lusa

alma-lusa

15
Set16

TEATRO: Zululuzu (Teatro São Luiz, Lisboa - 15 a 25 Setembro)

zululuzu.jpg

 

Texto e direcção: Pedro Zegre Penim, José Maria Vieira Mendes e André e. Teodósio

Cenografia: João Pedro Vale & Nuno Alexandre Ferreira

Figurinos: Joana Barrios

Música original: Xinobi

Produção: Teatro Praga

 

Elenco: André e. Teodósio, Cláudia Jardim, Diogo Bento, Jenny Larrue, Joana Barrios, Maryne Lanaro, Gonçalo Pereira Valves, Pedro Zegre Penim

 

Sinopse: "A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos não é o que vemos, senão o que somos." (Fernando Pessoa in "Livro do Desassossego")

 

Este espectáculo faz uso de um episódio relativamente obscuro da vida de Fernando Pessoa: a sua chegada a Durban, África do Sul, em 1896, cidade onde passou os primeiros anos da vida. ZULULUZU é o neologismo que enquadra esta passagem, dando voz a dois lugares-comuns: uma ideia de Portugal e uma ideia da África do Sul.

 

O Teatro Praga tira partido da cooperação entre estes dois clichês culturais para atacar uma instituição teatral, a caixa preta. Em ZULULUZU, o edifício teatral é utilizado como bode expiatório para um discurso contra todos os discursos, que reclama um espaço para aqueles que são deixados de fora, as histórias e personagens esquecidas, as vítimas do "é assim que as coisas são" ou os que são invisíveis em frente a uma parede preta. O espectáculo apropria-se do vocabulário da teoria pós-estruturalista, feminista e de género e aplica-a à sua própria vida. Não é nisto um espectáculo contra a caixa preta, antes propõe que se reconheça o edifício, exigindo visibilidade para a sua arquitectura e normatividade e, em último caso, para o próprio ZULULUZU, um espectáculo a partir da vida e obra de Fernando Pessoa.

 

 

ZULULUZU anuncia o fim do "apartheid" das ideias, géneros e formas, e é uma estranha declaração de queerismo, um manifesto a favor de um objecto imaterial, um espectáculo que não veio para ficar e onde o exotismo dá lugar ao endotismo. Se "tenho em mim todos os sonhos do mundo", como escreveu Pessoa, ZULULUZU quer todo o mundo e a sua infinitude.

 

"E eu não te engulo, nem penses, eu não te engulo que eu não sou nenhum instrumento disciplinador da identidade, eu recuso-me a fabricar a subjectividade dos outros, a limitar as possibilidades de existência, a sujeitar o espaço à prisão das definições – teatro é…, homem é…, vaca é… vaca és tu! Eu não quero a tua visibilidade, não quero o teu enquadramento, seu fundo negro sem perspectiva. Eu não quero ser exemplar. Eu não preciso de ser exposta, eu não quero ser material e concreta, eu preciso do meu bisavô, que era preto, preciso de eu, preciso de sair, é disso que eu preciso, eu preciso é de sair para voltar a entrar, EU SOU UM DRAMA EM GENTE em caixa alta!"

 

Apresentações:

Teatro São Luiz, Lisboa - 15 a 25 Setembro

Teatro Rivoli, Porto - 30 Setembro e 1 Outubro

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub