Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

alma-lusa

alma-lusa

01
Mar16

"O Povo que Ainda Canta" - Polifonia de Lafões

No Vale do Vouga qualquer cantiga, tradicional ou moderna, se desdobra em duas ou três vozes. Ali a polifonia vem naturalmente a quem gosta de cantar, e a prática apura o ouvido. Aquilo que soa estranho e desentoado para quem está habituado à escala temperada e aos acordes fixos dos instrumentos modernos pelos quais afinam as vozes educadas é, ao invés, uma afinação deliberada entre vozes para se obter uma cor e uma textura determinadas. Alguém que sabe dar o tom certo sem diapasão, nem demasiado agudo nem demasiado grave para conforto de todos, homens e mulheres, começa a cantar. Acima da melodia principal projectam-se uma ou duas vozes de mulher em terça e a seguir o brilho da quinta, com a pequena dissonância necessária para produzir a nota final, áspera e carregada de energia, que se prolonga enquanto durar o fôlego e o prazer do acorde. Com muita sorte pode estar presente o raro guincho, que faz a oitava da voz principal sem pronunciar as palavras, de tão agudo que é, e que quem ouviu nunca mais esquece. É um canto de ar livre, que convive mal com salas fechadas e sistemas de amplificação. Um pequeno outeiro que permita cantar em semi-círculo para que todos se ouçam, de costas contra o vento que leve as vozes até longe, é tudo o que é preciso para que a alta voltagem do canto se liberte e percorra os corpos de quem canta e de quem ouve. 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub