Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alma-lusa

alma-lusa

13
Jan21

LETRAS LUSAS: "Amor e Guerra", de José Carlos Moutinho

 

 

Editora: Guerra & Paz

 

Sinopse: A Angola colonial, a par das desigualdades e conflitos subterrâneos, era também um paraíso. Quem chegava era apanhado por um estranho feitiço para o resto da vida. O rumor longínquo da guerrilha assombrava essa aparente harmonia. A guerrilha funciona - é da sua natureza! - pela surpresa. As gigantescas matas cerradas não permitiam a penetração das tropas chegadas de Portugal e eram perfeitas para a ocultação dos guerrilheiros. Nas cidades, porém, iludia-se a guerra: vivia-se freneticamente o dia-a-dia. Praias, vida nocturna, bares e restaurantes conferiam às cidades, em particular a Luanda, um cosmopolitismo sedutor. Luanda tinha feitiço. A guerra, granadas e minas, era lá longe. A música das G3 e das AK não chegava aos ouvidos da cidade.

 

"Amor e Guerra" segue um personagem mobilizado para Angola. Encontrará fatalidades, incertezas e paixões. Eis uma história de vida num paraíso cheio de inóspitas armadilhas. Será que o amor, o incansável amor, vence sempre todas as barreiras?

 

JORNAL: José Carlos Moutinho - Poesia - Sonhar na praia; O dia esmorece;  Nada ter e nada ser

 

José Carlos Moutinho nasceu no Sobralinho, concelho de Vila Franca de Xira, em 1944. Ainda jovem saiu de Portugal e foi para Angola, daí para o Brasil e, finalmente, regressou a Portugal. Iniciou os primeiros passos em poesia, aos 15 anos, em Angola. Trabalhou sempre na área farmacêutica e, aos 22 anos, iniciou-se na Informação Médica, tendo exercido essas funções em Angola e no Brasil até 1980. Em Portugal foi empresário na indústria hoteleira, na cidade da Maia, onde ainda hoje habita. Participou em mais de 45 antologias ou colectâneas. Foi premiado nos três trabalhos apresentados no Concurso Internacional em Língua Portuguesa, de 2017, pela Academia de Letras, Ciência e Artes de Ponte Nova (Brasil): 2º classificado com o Poema Lonjura do Tempo; Menção Honrosa para o poema Canto do Sabiá; 3º classificado com o poema Caçador Profissional.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub