Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alma-lusa

alma-lusa

28
Jan21

DOC TV: Debaixo do Céu (RTP2 - 22h45)

 

Realização: Nicholas Oulman

Argumento: Beth Calabro Oulman (EUA) e Nicholas Oulman

Fotografia: João Pedro Plácido, Sebastian Gallo (Argentina)

Música: Diogo Cerejo Fragoso

Produção: Ukbar Filmes, Paulo de Sousa, MVR Produções, Utopica Cine

 

Com: Anita Sanders, Arlette Sanders, Helga Liné, Irving Redel, Leon Zanger, Martin Nussbaun, Miriam Klein Kassenoff, Nina Miness, Solomon Berenholz

 

Sinopse: Onde estão hoje os refugiados que fugiram do nazismo rumo a Portugal? Como chegaram a este porto de abrigo no extremo da Europa? E como os acolheram os portugueses?

 

Entre 1933 e 1944, centenas de milhares de judeus atravessaram a Europa, em fuga, até Portugal, a última porta para a liberdade. Despojados de todos os bens, obrigados a abandonar as famílias, deixaram para trás não só o seu país, mas também a sua identidade.

 

Guiados pelas histórias extraordinárias de Lolita, Ralph, Edmond e Rachel, entre outros, testemunhamos as memórias, reconstruindo a viagem até Portugal. O que sentiram, o que viveram, como lidaram com o que lhes era imposto, que força era aquela que os fazia continuar, como se viam uns aos outros, como conviviam com os portugueses, como partiram sem olhar para trás e em que medida a tragédia que viveram afectou o resto das suas vidas.

 

O documentário de Nicholas Oulman, realizador português de origem judaica, traça uma história sobre o êxodo que fez milhões de judeus deixarem Berlim e rumarem a sul, aquando da ascensão de Adolf Hitler. Baseando-se nas memórias de alguns sobreviventes (hoje com cerca de 80 anos de idade), descreve os périplos de uma crise de refugiados que encontrou (para mais de 100 mil) um porto seguro em Portugal, um porto de esperança a caminho de um recomeço, enquanto circulavam notícias do horror dos campos de concentração.

 

Composto totalmente por imagens de arquivo, recorda um período negro da história de Portugal e da Europa, através do ponto de vista de alguns sobreviventes que recordam o que presenciaram e viveram quando eram crianças e adolescentes. Antevendo os maus tempos que se avizinhavam, muitos judeus deixaram Berlim, enquanto outros, não acreditando que a situação política se deteriorasse, ali permaneceram até ser tarde demais. Hitler desenvolve rapidamente uma ideologia antissemita e, em simultâneo, a indústria bélica. Invade grande parte da Europa e estende a perseguição aos judeus nos territórios que ocupa. Com a tomada de França, em 1940, cai um bastião da liberdade.

 

Três milhões de refugiados rumam a sul. Nenhum judeu estava a salvo. Como conseguiram sobreviver? Em que circunstâncias? Que viagem foram obrigados a fazer? Mais de cem mil judeus tiveram uma coisa em comum: a sua passagem por Portugal, onde viveram em zonas de residência fixa. Portugal, um país conservador, sob a ditadura de Salazar, acolheu uma grande população de judeus refugiados, o que causou grande impacto social no país.

 

A partir de 1942, começaram a circular rumores de histórias de horror sobre os campos de concentração de Hitler, onde era levado a cabo o homicídio em massa de judeus. Portugal foi apenas um lugar temporário para os judeus que lutavam para recomeçar as suas vidas com tudo o que isso implicava: vistos para novas terras, meios de transporte, dinheiro, sobrevivência… Portugal foi um enorme porto de esperança.

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub