Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

alma-lusa

alma-lusa

28
Dez19

CINE TV: Conversa Acabada (TVCine 2/ domingo, 29 - 22h00)

Resultado de imagem para conversa acabada joão botelho

 

Ano: 1982

Realização: João Botelho

Argumento: Helena Domingos, João Botelho

Produção: Paulo Branco

Música: Jorge Arriagada

 

Elenco: Fernando Cabral Martins, André Gomes, Juliet Berto, Jorge Silva Melo, Luiz Pacheco, Manoel de Oliveira, Elsa Wellenkamp, António Wagner, Helena Afonso, Nuno Vieira de Almeida, Rogério Vieira, Helena Domingos, Susana Reis, Joaquim Furtado, Maria de Saisset, António Barahona, Osório Mateus, Zita Duarte, Isabel de Castro, Glicínia Quartin, Isabel Ruth, João Perry, Leonor Pinhão, Joaquim Pinto, Francisco Botelho

 

Sinopse: A história da amizade entre Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro. A primeira longa-metragem de João Botelho, que voltaria a Pessoa trinta e quatro anos mais tarde com "Filme do Desassossego", foi também uma ousada experiência, apostando numa estilização extrema e apoiando-se na correspondência trocada entre Pessoa e Sá-Carneiro entre 1912 e 1916, data do suicídio, em Paris, de Sá-Carneiro. Um documentário sobre poesia que progride e se resolve em drama poético. Alguns convidados especiais: Luiz Pacheco (Pessoa moribundo) e Manoel de Oliveira (o padre que dá a extrema-unção a Pessoa).

 

Fernando Pessoa (Fernando Cabral Martins) e Mário de Sá-Carneiro (André Gomes) surgem em "Conversa Acabada" como pólos complementares de uma interrogação radical: o que é isso de ser português? Ou ainda: como é que a condição de ser português se define e, de algum modo, se reinventa através das singularidades da nossa língua?


Tirando o melhor partido do ecrã virtual (tal como existia há trinta anos), este é um filme indissociável de todo uma assumida teatralidade que passa, não apenas pelo artifício das composições, mas também pelo peso específico das palavras. Afinal de contas, de Manoel de Oliveira a Jacques Rivette, passando por David Lynch, essa tetralidade é essencial para compreender algumas das vias fundamentais do cinema moderno.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D