Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alma-lusa

alma-lusa

21
Jan21

A CAMINHO FESTIVAL CANÇÃO 2021: "Cheguei Aqui" - Nadine

Autor Convidado: Anne Victorino d'Almeida

Música: Anne Victorino d'Almeida

Letra: Tiago Torres da Silva

Intérprete: Nadine

 

 

 

Nadine nasceu em Faro e tem raízes alentejanas. É licenciada em oboé pela Escola Superior de Música de Lisboa, mas foi na sua grande paixão – o fado – que encontrou o seu lugar enquanto artista. Já se apresentou em concertos no Brasil, Andorra e Suíça, assim como por diversos palcos de norte a sul de Portugal e ilhas. Em Lisboa, fez a sua morada e canta regularmente em algumas das mais prestigiadas casas de fado.  É mentora do projecto "Quase um Fado" e participou nos discos "Plasticidades", dos Donna Maria, "Simplicidades", dos ZukaTuga, assim como na colectânea "Discos do Povo", com o 19º disco, após residência artística.  Nadine prepara agora aquele que será o seu EP de lançamento, a apresentar no ano de 2021. No Festival da Canção 2021 vai cantar o tema "Cheguei Aqui", de Anne Victorino d’Almeida.

 

 

 

 

Anne Victorino d'Almeida nasceu em França, em 1978. Filha mais nova do compositor, pianista e maestro António Victorino d'Almeida, e com mãe francesa, é irmã da actriz Maria de Medeiros e da também actriz e política Inês de Medeiros. Viveu os primeiros anos da infância em Viena de Áustria e, quando tinha 4 anos, a família regressou a Portugal, tendo crescido em Lisboa. Anne Victorino d'Almeida é violinista, compositora e professora no Conservatório Nacional, no qual foi directora adjunta de 2017 a 2019. Começou a ter aulas de violino em 1986, na Fundação Musical dos Amigos das Crianças. Licenciou-se em 2003 na Academia Nacional Superior de Orquestra e, em 2004, frequentou e concluiu o primeiro ano de direcção de orquestra na Academia Superior de Orquestra. Membro fundador do Quarteto Lopes-Graça (que integrou de 2005 a 2014), do Quarteto Camões e do trio Rumos Ensemble, toca regularmente com diversas orquestras nacionais, entre as quais a Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Gulbenkian e Orquestra Sinfonietta de Lisboa. Como compositora começou pelo teatro, nos anos 90, tendo mais tarde assinado várias bandas sonoras para cinema. Lançou, em 2019, o disco "A Sombra dos Sentidos", ano em queorquestrou o genérico do Telejornal da RTP1, interpretado pela Orquestra Sinfónica Portuguesa, que lhe deu o prémio de prata do Prémio Marketing, Autopromoções e Inovação – Meios e Publicidade. Em 2020, compôs os separadores da RTP2. 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub