Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

alma-lusa

alma-lusa

30
Set13

ISTO É PORTUGAL! - Laboratório d' Estórias

 

 

 

Origem: Caldas da Rainha

 

Ela chama-se Rute Rosa, ele é Sérgio Vieira. Têm os dois 37 anos e são designers. Ela é do Seixal, ele nasceu em Viana do Castelo. Conheceram-se em 1995, na Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha, para onde foram estudar. Estão juntos desde então. Primeiro criaram a família - são casados - e, em Junho deste ano, lançaram uma empresa - Laboratório d' Estórias - e uma marca - Caldas Portugal.

 

Com apenas quatro meses de vida e duas peças à venda, a Laboratório d' Estórias tem já uma valente história para contar. O mérito é dos seus mentores, que aliaram o que sabem fazer (design) à tradição das Caldas (a cerâmica) e à cultura popular (cada peça conta uma história de Portugal). A primeira que criaram decorou montras de lojas e mesas de restaurante em Lisboa por alturas do Santo António e já enfeitou o Porto, no São João. Falamos do manjerico de cerâmica, verde ou branco, enfeitado com um cravo de papel e uma quadra de Fernando Pessoa. Quem o comprou também levou para casa uma bela embalagem com a história de "A Medusa e o Manjerico" e sementes da erva-dos-namorados. Rute Rosa explica o conceito do trabalho que quer continuar a desenvolver: «Mais do que uma empresa, o Laboratório d' Estórias é um espaço experimental e multidisciplinar que pretende valorizar e reinterpretar a cultura e as tradições portuguesas. Eu e o Sérgio decidimos fazê-lo através de objectos, que são sempre apresentados com uma história e uma ilustração. Neste contexto, só podíamos recuperar as antigas técnicas de manufactura da cerâmica caldense.»

 

O mais surpreendente é que tudo isto exigiu um grande trabalho de pesquisa e foi feito num tempo recorde, explica Sérgio Vieira: «Tivemos a ideia para aí em Março, deitámos mãos à obra e, nos primeiros dias de Junho, estávamos em Lisboa à procura de quem quisesse comprar-nos o manjerico.» E quem se interessou pelo manjerico também encomendou A Alfacinha dos Caracóis, uma peça que o casal já tinha desenhado e pensava produzir mais tarde mas que viu o fabrico acelerado. Modelada a partir de uma folha de alface, serve para levar caracóis e outros petiscos à mesa e é vendida numa embalagem que narra e ilustra a história de uma menina de Lisboa que um dia teve de fazer um cerco aos caracóis. No interior, além da peça, que nos remete imediatamente para a louça típica das Caldas, também há dois palitos que podem ser usados para puxar os moluscos terrestres para fora da concha.

 

A Alfacinha dos Caracóis também nasceu do trabalho conjunto de vários especialistas. E vai ser assim com todas as peças. É deste trabalho de equipa que surgem novos objectos decorativos e funcionais que se têm revelado um sucesso junto dos consumidores: «De um dia para o outro, tínhamos várias lojas a contactar-nos e a querer vender o manjerico. Pensámos que era por causa dos Santos Populares, mas não. A procura continua. E com a Alfacinha está a passar-se o mesmo», afirma Sérgio Vieira.

 

Entretanto, o casal já tem outros projectos em marcha. Todos em faiança, todos com histórias para contar: «O próximo será um ouriço e é uma taça para comer castanhas. Na embalagem, teremos uma ilustração e uma receita alusiva ao São Martinho», conta a Rute. Antes do Natal também esperam lançar um castiçal feito com nozes, figos ou amêndoas, numa alusão às tradicionais pilhas de fruta da zona Oeste. Em cerâmica das Caldas, claro. E depois haverá mais: «Criámos outras duas peças em faiança. Uma é um corvo, uma ave associada ao conhecimento, à inteligência e à cidade de Lisboa, mas ainda não definimos a história. A outra pretende recuperar os tradicionais apitos de Barcelos e também será um pássaro - um melro e um canário.» Ideias não lhes faltam e, a continuar assim, o Laboratório d' Estórias promete dar que falar.

 

(retirado do artigo "Cerâmica com histórias dentro" publicado na edição nº 2013 da revista Notícias Magazine)

 

http://www.laboratoriodestorias.com/

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D