Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alma-lusa

alma-lusa

27
Fev13

NOVOS TALENTOS - Luísa Fidalgo

 

Os pais nunca ligaram muito mas aquela história de ela falar ao telefone em inglês com amigos imaginários, na infância, era mesmo um sinal...

 

O tempo passou e, aos 27 anos, Luísa Fidalgo continua a fazer mais ou menos o mesmo. Em Agosto, estava num café, em Madrid, à espera de uma amiga (de carne e osso), que se atrasou, e pôs-se a pensar no que gostava que acontecesse ali. Pegou no bloco que a acompanhava para todo o lado e escreveu o que imaginou: um sueco bonito, com estilo, que se sentava à sua frente e metia conversa... A história (não a vamos contar aqui, mas pode ver-se na net) seria o primeiro episódio da série The Coffee Shop Series, escrita e protagonizada por Luísa. São pequenos sketches de três minutos, com situações caricatas e engraçadas, passadas em cafés do Porto e de Guimarães, faladas em várias línguas. No ecrã, Luísa é Carol, uma jovem portuguesa que acaba de chegar de Nova Iorque. Como a própria Luísa, aliás, que voltou em Julho dos EUA, onde estudou representação, na conceituada The William Esper Studio.

 

Num ápice, Luísa pôs a série de pé. Juntou-se a um jovem realizador seu amigo (Vieira Vasco), uma editora de imagem (Maria Ferreira da Silva), chamou outros jovens actores para com ela contracenarem e pediu aos Salto a banda sonora emprestada; conseguiu, também, o apoio de Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura e pôs os episódios a passar no programa "Curto Circuito", da SIC Radical. Sem o notar, encontrava aqui o que a fascinava em Nova Iorque: «Lá, as coisas acontecem facilmente, porque está tudo à procura do mesmo, de concretizar projectos. Há muitos artistas e há criatividade no ar», diz, olhos a brilhar. Notou que, afinal, «aqui há talento, ideias e espaço para crescer». Já está a trabalhar para criar uma produtora e, entretanto, foi escolhida em vários castings em que participou.

 

Luísa tirou o curso de Ciências da Comunicação, no Porto, mas quando, aproveitando o programa Erasmus, em Roma, fez o primeiro curso de representação, confirmou que era a vestir personagens e a escrever que se sentia realizada. A primeira peça da sua autoria - O Clube dos Pirilampos - levou-a à Bielorrússia, a um Festival de Teatro, com o S.O.T.A.O., companhia de Teatro do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, que integrou durante anos, até deixar o emprego como criativa, numa «empresa de realização de eventos» e aterrar em Brooklyn.

 

(retirado do artigo "Novíssimos - Luísa Fidalgo" publicado na edição nº 1042 da revista VISÃO)

 

 

 
 
 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D