Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alma-lusa

alma-lusa

25
Abr12

ISTO É PORTUGAL! - Lápis Viarco

 

 

Origem: São João da Madeira

 

Esta é "a fábrica de lápis mais pequena do mundo", diz José Vieira, um dos sócios. Os seus lápis apelam ao imaginário de todos os portugueses.

 

Num mercado feroz, a Viarco atravessa momentos difíceis mas tem resistido e, no campeonato das referências afectivas, vai em primeiro lugar. Muitos portugueses fizeram os seus primeiros desenhos com este lápis. E é aqui que a empresa joga os seus trunfos: trabalhar as memórias das novas gerações, manter a fábrica a funcionar e apostar em produtos de uso artístico.

 

Tudo começa em 1919 com o bisavô de José Vieira, num regime de excepção, gozando de várias medidas proteccionistas. Dez anos depois, a empresa enfrenta dificuldades. Safa-se da falência por pouco e é registada como Vieira & Araújo e Cia. Lda em 1936. Sai de Vila do Conde e instala-se em São João da Madeira, onde se encontra ainda hoje, numa antiga fábrica de chapéus. Os lápis que aqui se produzem atravessaram guerras, ditaduras e a adesão à União Europeia (e, com ela, a chegada de lápis de todas as partes do mundo). Hoje é a única fábrica de lápis portuguesa e ibérica.

 

José Vieira avança pelas instalações da Viarco, sítio sem luxos nem modernices onde trabalham vinte pessoas. Entrar na fábrica é como fazer uma viagem ao tempo da Revolução Industrial e aos complexos fabris que os livros de História descrevem. As máquinas mais recentes datam dos anos 70.

 

A Viarco está a fazer um percurso totalmente vocacionado para o produto especial. "Nos espaços vazios criámos ateliês para jovens artistas onde eles podem desenvolver as suas actividades e, ao mesmo tempo, recolher informação (sobre o que faz falta aos criadores)", explica. Foi assim que nasceram alguns dos mais recentes produtos Viarco, como a aguarela de grafite (lembrança do pintor José Emídio) ou o bastão artesanal de grafite que se tem revelado um dos maiores êxitos da Viarco e que foi sugerido pelo artista Isaque Pinheiro.

 

O mercado externo é outra prioridade. A Viarco já vende para França, Alemanha, Inglaterra, Itália e, recentemente, Estados Unidos. A exportação representa 15% do volume total de vendas e uma saída para a empresa.

 

José Vieira orgulha-se de poder fazer lápis de todas as cores e feitios, entre outras razões porque tem uma máquina de moldagem, exemplar 100% mecânico e que, calcula, remonta ao fim do século XIX. "As máquinas modernas não têm esta versatilidade." E se para uma empresa grande produzir cinco mil lápis de merchandising não tem interesse, na Viarco podem fazê-los com graça e a tempo.

 

Pela linha de montagem alinham-se os mais variados tipos de lápis: pequenos e finíssimos que vão seguir para Inglaterra e serão acessório de agendas, azuis com o símbolo de um banco português, em forma oval para carpinteiros ou a versão humorística do lápis com uma afia na ponta para o POP - Projectos Originais Portugueses, que aconteceu no Museu de Serralves, no Porto, em Julho de 2011. Outra brincadeira: o lápis que não escreve, o Dummy Pencil. Estes projectos servem para promover a indústria como criativa.

 

E quando fala em projectos com valor acrescentado, José Vieira gosta sempre de falar do ColorAdd, um código de cor criado por Miguel Neiva para daltónicos que é usado na fábrica: lápis normais com um código para cada cor. "É um projecto inclusivo e transversal a todas as crianças."

 

(retirado do artigo 1000 Motivos do Nosso Orgulho publicado na 1000ª edição da revista Notícias Magazine)

 

 

http://www.viarco.pt/

 

 

 

 

 
 
 
 
 
 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub