Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alma-lusa

alma-lusa

06
Mar12

ISTO É PORTUGAL! - Pranchas de surf Micasurfboards

 

 

Origem: Ericeira (Mafra)

 

Porque o surf é a praia dele, ou não tivesse nascido em São Lourenço, na Ericeira, o shaper que talha pranchas à medida tem nome e marca com tradição no mar.

 

Foi mecânico, por amor ao mar, diz que trabalha as pranchas "como um carpinteiro", mas parece mais um alfaiate, moldando-as à medida das ondas e do perfil dos clientes. Aos 38 anos, Amílcar Lourenço - Mica, para a família, para os amigos e para a comunidade do surf, dentro e fora de Portugal - deixa a marca que criou ir na mesma corrente que o tem guiado, enquanto surfista. Habituado a tratar por tu a elite mundial da modalidade, o shaper português faz questão de conhecer "ao milímetro" as necessidades de quem encomenda as suas pranchas. "Se o cliente for honesto comigo", explica, "assumindo, para além das suas características pessoais, os reais anos que tem de surf e o verdadeiro número de vezes que pratica por mês e em que praias, consigo dizer-lhe do que precisa."

 

Foi no areal da praia de São Lourenço, na Ericeira, que despertou a paixão de Mica pelo mar, pelo surf e pelas pranchas, nesta mesma ordem. Primeiro, foi o Atlântico, que se acostumou a espreitar da casa e do bar da praia dos pais. Depois, veio o despertar para o desporto cuja prática a família não podia suportar, nem via com bons olhos. Com 15 anos, sem os pais saberem, abandonou a escola para trabalhar numa oficina de automóveis e "juntar dinheiro para comprar uma prancha". Uma onda de sorte levou-o a cruzar-se com um cliente que lhe abriria as portas do surf e da profissão: Nick Uricchio, um dos patrões da Semente, a "gigante" portuguesa das pranchas de surf, que o convidou a trabalhar com ele. Em 2005, no mesmo ano em que abandonou a carreira desportiva nacional e internacional, o shaper, então com 31 anos, transforma a Micasurfboards num negócio, sempre conservando a amizade e a convivência saudável com a Semente, à qual garante "não roubar clientes". A estreia no fabrico de pranchas em nome próprio também não podia ter tido outros "padrinhos" que não os irmãos Pires: Tiago - ou Saca -, o primeiro português a integrar a elite do surf mundial, e Ricardo.

 

Tudo começa com uma "conversa" com o cliente, presencialmente ou pela internet - já que 80% das encomendas vêm do estrangeiro -, seguida pelo desenho da prancha, através de um programa de computador. Uma vez dada a luz verde pelo cliente, o shaper corta a prancha numa máquina própria e molda-a à mão. Depois, é a vez da pintura, feita por um pintor português da confiança de Mica, e a prancha regressa às mãos do antigo atleta que faz a fibragem com fibra de vidro e aplica a resina líquida. O último processo, o da lixagem, também é subcontratado a um artesão português. Por fim, a prancha está pronta a ir para a água.

 

O desenho e a mão-de-obra têm selo nacional. Os blocos de foam - a espuma rígida que serve de base às pranchas - vem da Austrália e dos EUA, tal como a resina. A fibra de vidro, comprada em Portugal, também tem origem norte-americana. Portuguesas são as lixas, da Lamidiscos - famosas em todo o mundo, por serem produzidas especificamente para esta indústria -, os logótipos, os autocolantes, as fitas de papel e as tintas à base de água.

 

No ano passado, foram vendidas 200 pranchas, de um total de 703 lançadas ao mar, desde 2005. Uma "tábua" - como também se diz na gíria - com chancela Micasurfboards pode custar, em média, 370 euros. Para além do core business, a marca produz ainda algumas peças de roupa, mas apenas "como brinde, para divulgar as pranchas".

 

O ano de 2011 foi de ouro sobre o azul do mar da Ericeira, eleita Reserva Mundial de Surf, pela ONG norte-americana Save the Waves. Os quatro quilómetros de costa que se estendem da Pedra Branca a São Lourenço são os primeiros da Europa a entrar para este lote exclusivo do qual constam apenas mais duas zonas protegidas: Manly Beach, na Austrália, e Santa Cruz, nos Estados Unidos.

 

Apesar de já ter deslizado pelas mais afamadas praias de todo o mundo, Mica regressa sempre a casa. E não é só por saudades. "As melhores ondas estão em Portugal, não há dúvida.", defende. "Filho" da Ericeira escolhe, porém, a Madeira como o melhor spot, "com ondas incríveis e quase sem ninguém".

 

(retirado do artigo "Portugal faz bem - Mica à beira-mar" publicado na edição nº 991 da revista VISÃO)

 

http://www.micasurfboards.com/

 

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub