Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

alma-lusa

alma-lusa

02
Dez11

ISTO É PORTUGAL! - Magnetómetros LusoSpace

Imagem do Magnetómetro da LusoSpace e do satélite Proba-2

 

Origem: Lisboa

 

Os portugueses que são estrelas na produção de bússolas espaciais querem fazer as suas tecnologias brilhar na Terra, agora que já estão orientados no espaço.

 

A rampa de lançamento foi uma garagem. O destino? Só pode ser o infinito e mais além, ou não reclamasse para si a missão de "transferir a tecnologia da área espacial para áreas não espaciais". Nascida em 2002, na garagem do pai de Ivo Vieira, a LusoSpace contou logo com uma madrinha... espacial: a Agência Espacial Europeia (ESA), da qual Portugal se tinha tornado membro dois anos antes. Tal foi o entusiasmo da agência europeia com o magnetómetro luso que, com um capital inicial de uns magros 5 mil euros, a empresa fundada por três sócios - dos quais hoje resta Ivo Vieira, o único com formação na área - viu-lhe mesmo ser adjudicado o projecto "sem sequer termos a empresa registada", conta o director-geral da LusoSpace. Em 2003, as primeiras bússolas espaciais com selo nacional saíram da forja e desde então não mais... saíram de órbita: a ESA acaba de atribuir à LusoSpace um projecto de desenvolvimento de um magnetómetro concentrado num só chip, uma tecnologia "com retorno terrestre bastante elevado" e que poderá ser aplicada em smartphones. Nas vésperas de completar o seu 10º aniversário, um dos três maiores produtores de magnetómetros do mundo completa a rota, diversificando a oferta (alguma dela já desenvolvida, outra por desenvolver) com visores de realidade aumentada, MEMS (chips com microelementos mecânicos um milhão de vezes mais pequenos do que o metro) e terminais de comunicações ópticas com raios laser para o espaço.

 

Os magnetómetros funcionam como uma espécie de bússolas espaciais, permitindo orientar e monitorizar a posição em tempo real dos satélites, através da determinação do campo magnético. Apesar de esta ser já uma tecnologia experimentada e viajada, tanto dentro como fora das fronteiras planetárias, a LusoSpace inovou ao nível do design e ao integrar nela, e pela primeira vez, um chip de tecnologia AMR (Anisotropic Magneto-Resistive), que até então nunca tinha sido utilizada no espaço.

 

A caixa mecânica, desenhada pela LusoSpace, é produzida em Portugal, ao passo que os chips, adquiridos a um distribuidor espanhol, são importados de diferentes países. Da Dinamarca vem a placa de circuito impresso, enquanto as colas, os vernizes e as tintas são originários de França. Porém, a "mão-de-obra" e o know-how, responsáveis pela investigação, a concepção e a construção dos magnetómetros falam na língua de Camões... até mesmo no caso de um dos colaboradores, que é italiano. Nesta equipa de "galácticos", os engenheiros fazem o pleno: alinham com a camisola da LusoSpace engenheiros electrotécnicos, físicos, mecânicos e aeroespaciais. Desde 2003, quando se lançou na corrida aos magnetómetros, esta armada espacial portuguesa já produziu 12 magnetómetros. O mais famoso é o que está agora em órbita com o satélite Proba-2, que a ESA enviou para o espaço em Novembro de 2009, para testar tecnologias espaciais e fotografar a Terra.

 

Apesar de, até agora, só terem sido canalizados para satélites, os magnetómetros da LusoSpace podem nortear barcos, aviões, robôs, aviões não tripulados... enfim, "tudo o que precisa de orientação", sintetiza Ivo Vieira. A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, o Instituto Superior Técnico e as Universidades do Porto, do Minho e de Aveiro contam-se entre os actuais, e potenciais, parceiros da LusoSpace.

 

Aos 40 anos, e enquanto se equipa com os sapatos a fim de entrar na sala de ambiente controlado com 10 mil partículas por metro cúbico, onde são montados e testados os equipamentos da LusoSpace, Ivo Vieira tem o mesmo brilho pueril no olhar que, aos 12 anos, o fez desejar subir ao céu como astronauta. Enquanto nos explica que os novos óculos de realidade aumentada que quer produzir ambicionam chegar ao mercado de consumo e revolucionar a indústria dos jogos ou dos GPS, volta a denunciar o entusiasmo na voz. O mesmo que o levou a especializar-se em Engenharia Física e a concorrer ao programa de formação de astronautas da ESA, em 2008, já com 37 anos, na qual transpôs a primeira fase de selecção que passou de 10 mil para 900 candidatos. A ambição também não mudou: acredita que ainda vai vender os seus produtos à NASA. E continua a sonhar fazer uma viagem ao centro do universo, quem sabe até nos próximos anos...

 

(retirado do artigo "Portugal faz bem - Heróis em órbita" publicado na edição nº 978 da revista VISÃO)

 

 

http://www.lusospace.com/

 

 

 

 

 
 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub