Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

alma-lusa

alma-lusa

31
Ago20

NOVOS SONS LUSOS - Rita Vian

A imagem pode conter: 1 pessoa

 

Rita Vian é vocalista da banda Beautify Junkyards, mas em 2019 lançou o seu primeiro tema a solo, "Diágonas". No passado mês de Maio, saiu o seu segundo single, "Sereia". Em 2010, Rita Vian participou na quarta temporada do programa "Operação Triunfo", na RTP1.

 

31
Ago20

"A Metamorfose dos Pássaros" vence Prémio de Melhor Filme no Festival de Pesaro

A Metamorfose dos Pássaros" vence Prémio de Melhor Filme no Festival de  Pesaro - Fantastic - Mais do que Televisão

 

O filme "A Metamorfose dos Pássaros", da realizadora portuguesa Catarina Vasconcelos, foi distinguido com o Prémio de Melhor Filme da Competição Internacional e com o Prémio do Júri de Escolas do Cinema, no Festival de Pesaro, em Itália.

 

"A Metamorfose dos Pássaros" é a primeira longa-metragem de Catarina Vasconcelos. A sinopse refere que "Beatriz e Henrique casaram no dia em que ela fez 21 anos. Henrique, oficial de marinha, passava largas temporadas no mar. Em terra, Beatriz, que aprendeu tudo com a verticalidade das plantas, cuidou das raízes dos seis filhos. O filho mais velho, Jacinto, é meu pai e sonhava poder um dia ser pássaro. Um dia, subitamente, Beatriz morre. A minha mãe não morreu subitamente, mas morreu quando eu tinha 17 anos. Nesse dia, eu e o meu pai encontrámo-nos na perda da mãe e a nossa relação deixou de ser só a de pai e filha".

 

O filme de Catarina Vasconcelos já conquistou vários prémios internacionais, como o Prémio da Crítica Internacional no Festival de Berlim (Alemanha), Prémio de Melhor Filme no Festival de Vilnius (Lituânia) ou o Prémio de Melhor Filme no Festival Dokufest (Kosovo).

 

31
Ago20

LETRAS LUSAS: "Rio das Flores", de Miguel Sousa Tavares

Bertrand.pt - Rio das Flores

 

 

Editora: Porto Editora

 

Sinopse: Sevilha, 1915 - Vale do Paraíba, 1945: trinta anos da história do século XX correm ao longo das páginas deste romance, com cenário no Alentejo, Espanha e Brasil. Através da saga dos Ribera Flores, proprietários rurais alentejanos, somos transportados para os anos tumultuosos da primeira metade de um século marcado por ditaduras e confrontos sangrentos, onde o caminho que conduz à liberdade parece demasiado estreito e o preço a pagar demasiado alto. Entre o amor comum à terra que os viu nascer e o apelo pelo novo e desconhecido, entre os amores e desamores de uma vida e o confronto de ideias que os separam, dois irmãos seguem percursos diferentes, cada um deles buscando à sua maneira o lugar da coerência e da felicidade.

 

Rio das Flores resulta de um minucioso e exaustivo trabalho de pesquisa histórica, que serve de pano de fundo a um enredo de amores, paixões, apego à terra e às suas tradições e, simultaneamente, à vontade de mudar a ordem estabelecida das coisas. Três gerações sucedem-se na mesma casa de família, tentando manter imutável o que a terra uniu, no meio da turbulência causada por décadas de paixões e ódios como o mundo nunca havia visto. No final sobrevivem os que não se desviaram do seu caminho.
 
 
 

"Rio das Flores", da autoria de Miguel Sousa Tavares, foi lançado originalmente em 2007. O livro regressa agora às livrarias numa nova edição.

 

Miguel Sousa Tavares - Biografia - O Cheiro dos Livros

 

Miguel Sousa Tavares nasceu no Porto, em 1952, mas cresceu em Lisboa, filho da poeta Sophia de Mello Breyner Andresen e do advogado e jornalista Francisco de Sousa Tavares. Depois de se ter licenciado em Direito, exerceu advocacia durante 12 anos, actividade da qual abdicou para se dedicar em exclusivo ao jornalismo, uma paixão que lhe tem valido diversos prémios. Estreou-se na televisão em 1978, na RTP, onde foi o rosto do programa de entrevistas «Face a Face», a sua primeira experiência como apresentador. No anos 90 ingressa na SIC, canal onde conduziu programas como «Crossfire», «20 Anos 20 Nomes» e «Terça à Noite». Já no final da década transfere-se para a TVI e assina formatos como «Em Legítima Defesa» e «Jornal Nacional», aqui como comentador fixo semanal. É nessa função que, hoje, continuamos a poder ouvir a sua opinião sobre a actualidade nacional e internacional. Em 1989, foi um dos fundadores da revista Grande Reportagem, publicação da qual se tornou director no ano seguinte, um cargo que ocuparia durante 10 anos. Para além da experiência enquanto director da revista Sábado, também se destacou na imprensa portuguesa como cronista em publicações como o jornal Público, o jornal desportivo A Bola, a revista feminina Máxima, o jornal online Diário Digital e o semanário Expresso. Miguel Sousa Tavares tem vários livros publicados, de crónicas a contos, romances, livros de viagem e infanto-juvenis. O primeiro, Sahara, a República da Areia, foi editado em 1985. Estreou-se no romance em 2003, com a obra Equador, editado em 30 países e adaptado a série televisiva. Em 2007, publicou Rio das Flores, com uma primeira tiragem de 100 mil exemplares.

31
Ago20

MINI LETRAS LUSAS: "O Segredo do Rio"/ "O Planeta Branco", de Miguel Sousa Tavares

Bertrand.pt - O Segredo do Rio

 

 

Editora: Porto Editora

 

Sinopse: Então, peixe, vamos fazer um acordo. Tu ficas a morar aqui, constróis a tua casa e fazes a tua vida. Mas ninguém pode saber que tu falas a língua das pessoas e que conversamos os dois. Se souberem que eu falo com um peixe, vão achar que sou maluco e tiram-me daqui. Ouviste?

Este rio tem um segredo e esse segredo é só meu.

 

Bertrand.pt - O Planeta Branco

 

 

Editora: Porto Editora

 

Sinopse: Lá fora, a noite estava semeada de milhões de estrelas, planetas, cometas, asteroides nos seus voos loucos, constelações de todos os tamanhos e das mais diferentes formas. Olhou por cima do ombro direito, pela vigia lateral, procurando absurdamente uma luz branca que julgava ter visto algures, mas não se lembrava quando, nem sequer era capaz de dizer se a tinha visto, de facto, ou se apenas a imaginara em sonhos.

"Haverá por aí alguém à escuta? Alguém que nos veja e que nos guie?"

 

"O Segredo do Rio" foi lançado originalmente em 1996 e "O Planeta Branco" teve a primeira edição em 2006. Os dois livros infantis, da autoria de Miguel Sousa Tavares, regressam agora às livrarias numa nova edição.

 

Miguel Sousa Tavares - Biografia - O Cheiro dos Livros

 

Miguel Sousa Tavares nasceu no Porto, em 1952, mas cresceu em Lisboa, filho da poeta Sophia de Mello Breyner Andresen e do advogado e jornalista Francisco de Sousa Tavares, mas cresceu em Lisboa. Depois de se ter licenciado em Direito, exerceu advocacia durante 12 anos, actividade da qual abdicou para se dedicar em exclusivo ao jornalismo, uma paixão que lhe tem valido diversos prémios. Estreou-se na televisão em 1978, na RTP, onde foi o rosto do programa de entrevistas «Face a Face», a sua primeira experiência como apresentador. No anos 90 ingressa na SIC, canal onde conduziu programas como «Crossfire», «20 Anos 20 Nomes» e «Terça à Noite». Já no final da década transfere-se para a TVI e assina formatos como «Em Legítima Defesa» e «Jornal Nacional», aqui como comentador fixo semanal. É nessa função que, hoje, continuamos a poder ouvir a sua opinião sobre a actualidade nacional e internacional. Em 1989, foi um dos fundadores da revista Grande Reportagem, publicação da qual se tornou director no ano seguinte, um cargo que ocuparia durante 10 anos. Para além da experiência enquanto director da revista Sábado, também se destacou na imprensa portuguesa como cronista em publicações como o jornal Público, o jornal desportivo A Bola, a revista feminina Máxima, o jornal online Diário Digital e o semanário Expresso. Miguel Sousa Tavares tem vários livros publicados, de crónicas a contos, romances, livros de viagem e infanto-juvenis. O primeiro, Sahara, a República da Areia, foi editado em 1985. Estreou-se no romance em 2003, com a obra Equador, editado em 30 países e adaptado a série televisiva. Em 2007, publicou Rio das Flores, com uma primeira tiragem de 100 mil exemplares.

31
Ago20

ESTREIA TV: "All or Nothing: Tottenham Hotspur" c/ José Mourinho (Amazon Prime Video - disponível a partir 31 Agosto)

All Or Nothing: Tottenham Hotspur Trailer: Amazon Premier League Show –  Deadline

 

A partir desta segunda-feira, 31 de Agosto, a plataforma de streaming Amazon Prime Video disponibiliza a série documental "All or Nothing: Tottenham Hotspur". A série, com 8 episódios, foca-se na saída do treinador argentino Mauricio Pochettino, em Novembro de 2019, e na chegada do treinador português José Mourinho ao clube de futebol inglês.

 

José Mourinho, de 57 anos e natural de Setúbal, começou a sua carreira como treinador em 2000, no Benfica. Em 2001/2, treinou o União de Leiria e, de 2002 a 2004, liderou a equipa do FC Porto, com a qual conquistou, além de títulos nacionais, dois títulos internacionais: a Taça UEFA (actual Liga Europa) e a Liga dos Campeões. Depois disto, teve início o percurso internacional, no Chelsea (Inglaterra), Inter de Milão (Itália), Real Madrid (Espanha), novamente o Chelsea, Manchester United (Inglaterra) e Tottenham, onde está desde Novembro de 2019. Além de vários títulos nacionais nos diferentes campeonatos, ganhou mais uma Liga dos Campeões, pelo Inter de Milão, em 2009/10 e uma Liga Europa, pelo Manchester United, em 2016/17. José Mourinho foi eleito, em 2010, o Melhor Treinador do Mundo. 

 

Esta segunda-feira, estreiam os primeiros três episódios da série documental "All or Nothing: Tottenham Hotspur".

 

30
Ago20

E. M. de Melo e Castro (1932 - 2020)

Ernesto Melo e Castro e a sua máquina do tempo | Materialidades da  Literatura

 

Faleceu na passada noite, aos 88 anos, o poeta, escritor, ensaísta e artista plástico E. M. de Melo e Castro.

 

Ernesto Manuel Geraldes de Melo e Castro nasceu na Covilhã, em 1932. Licenciou-se em Engenharia Têxtil pela Universidade de Bradford, em Inglaterra, e fez o doutoramento em Letras pela Universidade de São Paulo, no Brasil. Foi professor no Instituto Superior de Arte, Design e Marketing (IADE), em Lisboa, e na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil.

 

E. M. de Melo e Castro destacou-se como um dos pioneiros da Poesia Visual (concreta) em Portugal. Ideogramas data de 1962 e reúne 29 poemas concretos, publicados sem qualquer introdução ou nota explicativa; este livro é considerado um marco fundador da Poesia Concreta e do Experimentalismo em Portugal. Participou no primeiro e foi um dos organizadores do segundo número da revista Poesia Experimental, em 1964 e 1966, respectivamente. Entre as diversas antologias e suplementos em que colaborou, assinale-se a organização de Hidra (1969) e Operação (1967). Também colaborou com a revista Arte Opinião, de 1978 a 1982. 

 

Figura marcante no contexto artístico português dos anos de 1960 e 1970, nas décadas que se seguiram dedicou-se a investigar e a espelhar no seu trabalho as relações entre a arte e o desenvolvimento tecnológico. Foi autor de um conjunto de obras pioneiras na utilização do vídeo e do computador na produção literária. A sua actividade artística foi apresentada em numerosas exposições colectivas, em Portugal e no estrangeiro, assim como exposições individuais, espectáculos e happenings

 

Na sua actividade literária, como poeta e crítico, publicou diversos livros, entre os quais a Antologia da Novíssima Poesia Portuguesa (1959), em colaboração com a escritora Maria Alberta Menéres. 

 

Em 2006, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto, apresentou O Caminho do Leve, uma grande exposição retrospectiva da sua obra. Em 2017, E. M. de Melo e Castro foi ordenado Comendador da Ordem do Infante D. Henrique pelo Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa. 

 

E. M. de Melo e Castro foi casado com a escritora Maria Alberta Menéres, falecida em 2019, e era pai da cantora Eugénia de Melo e Castro. O poeta, escritor, ensaísta e artista plástico faleceu em São Paulo, no Brasil, onde vivia. 

29
Ago20

DOC TV: Nikias Skapinakis - O Teatro dos Outros (RTP2/ domingo, 30 - 23h00)

Nikias Skapinakis - O Teatro Dos Outros

 

Realização: Jorge Silva Melo

 

Sinopse: Um documentário sobre a obra do pintor Nikias Skapinakis a partir da exposição "Quartos Imaginários" que, em Junho de 2006, inaugurou no Museu Arpad Szenes-Vieira da Silva, em Lisboa. O documentário segue de perto o trabalho de um dos mais importantes pintores da segunda metade do século XX, nomeadamente na área do retrato (são dele retratos cruciais como os de Almada, Natália Correia, Joel Serrão, Abelaira e Cochofel e o dos Críticos que está na Brasileira) e daquilo a que ele, em certa altura, chamou Os Retratos da Ausência.


Acompanhe de perto o trabalho de um dos mais importantes pintores da segunda metade do século XX num filme extraordinário que conta com a colaboração do próprio artista, Nikias Skapinakis.

 

Nikias Skapinakis, de ascendência grega, nasceu em Lisboa em 1931. Frequentou o curso de Arquitectura, que abandonou para se dedicar à pintura. Começou por expor em 1948, nas Exposições Gerais de Artes Plásticas, e, desde então, realizou diversas exposições individuais e participou em numerosas colectivas em Portugal e no estrangeiro. Além da pintura a óleo, como actividade dominante, dedicou-se à litografia, à serigrafia e à ilustração de livros. Entre outras obras, ilustrou Quando os Lobos Uivam, de Aquilino Ribeiro (Livraria Bertrand, 1958) e Andamento Holandês, de Vitorino Nemésio (Imprensa Nacional, 1983). Executou litografias para o Congresso de Psicanálise de Línguas Românicas (1968) e para o Cinquentenário do Banco Português do Atlântico (1969). Executou serigrafias para Kompass (1973) e realizou um painel em cerâmica para o Metropolitano de Lisboa. No ano seguinte, a Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva apresentou a série de pinturas "Quartos Imaginários" relativa a quartos de dormir e a ateliês de diversos pintores e poetas.


Em 2006, foi-lhe atribuído o primeiro prémio do Casino da Póvoa de Varzim. Publicou textos de intervenção crítica em diversos jornais e revistas.

 

A RTP2 homenageia o pintor Nikias Skapinakis poucos dias após o seu falecimento, aos 89 anos, e exibe um documentário sobre a sua obra. 

29
Ago20

TV: Volta a França 2020 c/ Nelson Oliveira (RTP2 e Eurosport 1 - 29 Agosto a 20 Setembro)

Ciclismo: Volta a França 2020

 

Depois de vários meses de paragem e muita incerteza, devido à pandemia mundial de COVID-19, o ciclismo está de volta às estradas francesas. De 29 de Agosto a 20 de Setembro, realiza-se a 107ª edição da Volta a França, a prova rainha do ciclismo.

 

Durante a Volta a França 2020, o pelotão terá de percorrer um total de 3470 quilómetros, divididos em 21 etapas, com apenas dois dias de descanso, numa corrida praticamente discutida no Sul do país e com muita montanha.

 

Nelson Oliveira, que integra a equipa espanhola da Movistar, é o único ciclista português em competição na Volta a França 2020.

 

Acompanhe a Volta a França 2020, de 29 de Agosto a 20 de Setembro, na RTP2 e Eurosport 1.

 

Strava Pro Cyclist Profile | Nelson Oliveira

Nelson Oliveira

Pág. 1/12

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D