Quinta-feira, 19 de Abril de 2018

 

Realização: Silas Tiny

Assistência de realização: Teresa Andrade

Fotografia: João Vagos

Montagem: Raúl Domingues

Som: João Sales Moreira

Produção: Divina Comédia (Rui Alexandre Santos)

 

Sinopse: "Rio do Ouro e Água-Izé foram das maiores roças de produção de cacau em São Tomé e Príncipe durante o período colonial português. A sua produção chegou a ser a maior a nível mundial em princípios do século XX. Neste local, milhares de homens e mulheres foram marcados pelo trabalho forçado em regime equiparado à escravatura. A Roça lembra o poder e domínio, injustiça e dor. Hoje, a degradação alastra pelo espaço colocando em risco de extinção a memória colectiva santomense. Passados trinta anos de ausência, regresso ao meu país para encontrar os vestígios desse passado." (Silas Tiny)

 

 

 

Silas Tiny nasceu em São Tomé e Príncipe em 1982 e, com apenas 5 anos, emigra com a família para Portugal. Antes mesmo de concluir o curso de realização na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa, em 2013, Silas realiza a sua primeira longa-metragem documental, "Bafatá Filme Clube", em que reflecte sobre a importância que a vila de Bafatá, na Guiné-Bissau, teve no período colonial e a sua posterior desertificação, através de um cinema desactivado que fora a alma da vila até à independência, em 1975 - ainda hoje este lugar é guardado pela figura fantasmagórica de Canjajá, o antigo projeccionista. Actualmente, trabalha na pós-produção do documentário "Constelações do Equador", sobre a ponte aérea São Tomé-Biafra.

 

Filmografia:

 

O Canto do Ossobó (doc., 2018)

Bafatá Filme Clube (doc., 2013)



publicado por Alma Lusa às 10:02
Quinta-feira, 19 de Abril de 2018

Deportados Para Outro Mundo

 

Portugal foi um país neutro na Segunda Guerra Mundial. Mas isso não impediu que, entre 1939 e 1945, quase mil portugueses fossem vítimas do conflito, deportados, presos ou escravos dos nazis.


Um assunto abafado na época que, só nos últimos anos, tem sido desvendado. Minhotos, algarvios, lisboetas, transmontanos viveram o inferno e os trabalhos forçados em Auschwitz, Dachau, Mauthausen ou outros campos de concentração. A maioria destes portugueses morreu. Alguns sobreviveram às fábricas da morte de Hitler para contar a história - e não deixar morrer a memória.


"Deportados Para Outro Mundo" é uma reportagem de Ana Luísa Rodrigues, Carla Quirino e José Rui Rodrigues, com grafismo de Sofia Pedro.

 



publicado por Alma Lusa às 09:09
Quarta-feira, 18 de Abril de 2018
A Cidade na Ponta dos Dedos mostra-lhe o Kin, que nos conquista pelo Dragão de trinta metros de comprimento suspenso no tecto do restaurante, colado ao Topo, no Martim Moniz. A criatividade de Sacha Wolf desenhou este espaço para servir pratos memoráveis do continente asiático.
 
 



publicado por Alma Lusa às 12:09
Terça-feira, 17 de Abril de 2018

O Museu do Dinheiro, em Lisboa, é, até agora, o melhor dos museus congéneres na Europa. A sua aliciante narrativa começa com um lingote de ouro que o público pode tocar (e tentar levantar) e segue com peças da colecção do Banco de Portugal (dono do museu) e com interacções multimédia. Como nasceu o dinheiro, como evoluiu, quem o fabrica - eis algumas das questões a que este museu responde. Tão ou mais relevante que o museu é o edifício onde está instalado: a antiga Igreja de São Julião, na Baixa Pombalina, foi maravilhosamente restaurada por uma notável dupla de arquitectos portugueses. Gonçalo Byrne, um dos arquitectos autores da requalificação da Igreja de São Julião, e Sara Brighenti, a directora do Museu do Dinheiro, são os guias desta Visita.

 



publicado por Alma Lusa às 21:22
Sexta-feira, 13 de Abril de 2018

DEAD COMBO - Odeon Hotel

 



publicado por Alma Lusa às 16:38
Sexta-feira, 13 de Abril de 2018

Resultado de imagem para lusitania comedy club

 

Autoria: Nuno Markl c/ Francisco Martiniano Palma, Frederico Pombares (texto) e J.J. Galvão (música e letras)

Assistente direcção e encenação: Mafalda Santos

Produção: Lemon Live Entertainment

 

Com: Mafalda Santos, Ana Freitas, Hugo Simões, Luís Sousa, Luís Oliveira, Frederico Amaral

 

Sinopse: O colectivo Lusitânia Comedy Club  estreia-se com "O Porquê da Coisa - Uma Reflexão Perfeitamente Inútil Sobre a Magnifica História de Portugal", uma delirante comédia musical multimédia onde, para além do elenco no palco, há participações-surpresa de várias caras conhecidas. Este espectáculo conta a História de Portugal em apenas 90 minutos. 


Ah, a História de Portugal!... Séculos de História, agora comodamente concentrados numa comédia musical que se propõe, finalmente, desvendar... O Porquê da Coisa. 


Porque é que Portugal é assim, e não um El Dorado de riqueza e prosperidade? Terá o sentido de humor a ver com tudo isso? Onde é que tudo se estragou? As respostas para (quase) tudo estão no espectáculo de estreia do colectivo Lusitânia Comedy Club. Um bando de jovens actores multiplica-se num imparável desfile de personagens históricas, desde a Fundação até à Revolução... e mais além. E tudo sem sair do local onde, afinal, todos os grandes acontecimentos da epopeia lusitana aconteceram - o bar de comédia mais antigo do país, o Viriatu’s. 


É lá que, em 2018, Tomé, um jovem comediante desencantado com a maneira como, na actualidade, toda a gente se parece ofender com qualquer piada, inicia uma viagem no tempo conduzida pelo barman, Sebastião - que, mais do que um banal Sebastião, é, afinal, o maior Sebastião de todos: nada mais, nada menos do que El-Rei D. Sebastião, conservado no nevoeiro - "é óptimo para a pele!" - e capaz de o usar para viajar pelo tempo, graças a um gadget que construiu por alturas de Alcácer-Quibir.


 
O Porquê da Coisa - se "Regresso ao Futuro" e "Os Lusíadas" tivessem um filho, seria esta peça!

 



publicado por Alma Lusa às 16:30
Sexta-feira, 13 de Abril de 2018

Resultado de imagem para cinco dias cinco noites

 

Ano: 1996

Realização: José Fonseca e Costa

Argumento: José Fonseca e Costa e Jennifer Field (baseado no romance de Manuel Tiago)

Produção: Paulo Branco

Música: António Pinho Vargas

 

Elenco: Vítor Norte, Paulo Pires, Ana Padrão, Canto e Castro, Teresa Roby, Miguel Guilherme, Sinde Filipe, Mário Moutinho, Diana Costa e Silva, Cucha Carvalheiro, Laura Soveral, Joaquim Nicolau, Rita Durão, José Eduardo, António Lago, Pedro Efe, Padre Fontes

 

Sinopse: Nos finais dos anos 40, André (Paulo Pires) foge da prisão e vê-se forçado a abandonar clandestinamente o país. No Porto, uns amigos arranjam-lhe um "passador", Lambaça (Vítor Norte), que conhece bem a fronteira de Trás-os-Montes, graças à sua actividade de contrabandista. André e Lambaça desde o primeiro momento que sentem uma mútua antipatia, mas ao longo de cinco dias e cinco noites, através de montes e vales e trocando as voltas à guarda e à polícia política, vão acabar por ultrapassar a desconfiança inicial. Entre os dois homens nasce uma forte amizade e um mútuo respeito forjado nas condições mais adversas.

 

"Cinco Dias, Cinco Noites" é uma excelente adaptação ao cinema, do romance homónimo de Manuel Tiago (pseudónimo de Álvaro Cunhal), sobre a odisseia de um jovem em fuga que, nos finais dos anos 40, se vê obrigado a passar a fronteira a "monte" na companhia de um contrabandista. José Fonseca e Costa assina um filme inteligente e sensível que é, acima de tudo, uma subtil evocação de um país dominado por um regime que obrigou muitos à fuga e ao exílio, bem como uma fascinante história de amizade entre dois homens oriundos de universos distintos que no meio da adversidade acabam por descobrir uma mútua admiração. Um belo filme de Fonseca e Costa que conta com um grande trabalho de fotografia de Affonso Beato e duas excelentes interpretações a cargo de Vítor Norte e Paulo Pires.

 

 



publicado por Alma Lusa às 15:25
Sexta-feira, 13 de Abril de 2018

Foto de Alta Definição.

 

André Silva é uma das maiores promessas do futebol nacional e uma das grandes esperanças de Portugal para o Mundial da Rússia. Formado no FC Porto e, actualmente, a jogar em Itália, no AC Milan, o jogador de futebol é o próximo entrevistado de Daniel Oliveira no "Alta Definição" onde revela, pela primeira vez, o seu lado mais pessoal.



publicado por Alma Lusa às 15:15
Sexta-feira, 13 de Abril de 2018

Entre Serras - A Natureza do Parque Nacional da Peneda-Gerês

 

No Norte de Portugal, por entre vales, serras, rios e planaltos, a Natureza esmerou-se para criar uma das paisagens mais fantásticas do nosso país. O Parque Nacional da Peneda-Gerês é, para muitos, o nosso maior tesouro, e é também a casa de centenas de espécies de animais e de plantas que conspiram para nos oferecer a esplendorosa beleza da nossa vida selvagem. Vamos espreitar as nossas matas mais bem guardadas, as nossas espécies mais ameaçadas, e um legado único da presença humana que está gravado na paisagem e numa ligação antiga com a natureza. Veja como nunca antes o Parque Nacional da Peneda-Gerês.

 

Este sábado, o espaço documental de vida animal "Nosso Mundo", na SIC, exibe o documentário português "Entre Serras - A Natureza do Parque Nacional da Peneda-Gerês", realizado pela AidNature - Associação Internacional para a Documentação da Natureza.

 

 


publicado por Alma Lusa às 15:00
Sexta-feira, 13 de Abril de 2018

casa lava.jpg

 

Ano: 1995

Realização e Argumento: Pedro Costa

 

Elenco: Inês de Medeiros, Isaach de Bankolé, Edith Scob, Pedro Hestnes, Cristiano Andrade Alves, António Andrade, Daniel Andrade, Manuel Andrade, Raul Andrade, Joaquim Antunes, Mónica Calle, Joaquim Carvalho, Luís Miguel Cintra, Isabel de Castro, João Gomes de Pina, Sandra do Canto Brandão, António S. Lopes, João Medina, Clotilde Montron, Alina Montron, Sidónio Pais, Amália Tavares

 

Sinopse: No início é o ruído, o desespero e o abuso. Mariana quer sair do Inferno. Estende a mão a um homem meio morto, Leão. Mariana, plena de vida, pensa que talvez possam escapar juntos do inferno. Acredita que pode trazer o homem morto para o mundo dos vivos. Sete dias e sete noites mais tarde percebe que estava enganada. Trouxe um homem vivo para o meio dos mortos. 

 

"Casa de Lava" é a segunda longa-metragem de Pedro Costa e foi rodada na Ilha do Fogo, em Cabo Verde. Na paisagem vulcânica de Cabo Verde, filmada como se toda a vida (animal, vegetal ou mineral) tivesse sido coberta por um lençol de cinzas, "Casa de Lava" é uma história de dor e de sangue, vivida por "zombies" e outros seres amaldiçoados. Muita da estranheza vem do facto de Cabo Verde ser igualmente tratado como uma paisagem "linguística", onde o vincar de uma identidade se confunde com o seu fechamento. 

 

 



publicado por Alma Lusa às 10:08
Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
14

15
16
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO