Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

alma-lusa

alma-lusa

23
Mar18

ESTREIA TV: Chef de Família (FOX Life/ sábado, 24 - 14h00)

Foto de FOX Life Portugal.

 

"Chef de Família" é o novo programa da FOX Life que lhe vai dar a conhecer o mundo do chefe Henrique Sá Pessoa que será acompanhado, nesta nova aventura, pela sua filha Inês.

 

Realizado por Leonor Teles, a mais jovem realizadora de sempre a vencer um Urso de Ouro no Festival de Cinema de Berlim, "Chef de Família" terá 13 episódios com 20 minutos de duração cada. Em cada episódio, Henrique Sá Pessoa irá partilhar receitas e dicas.

 

Sábados, às 14h00, na FOX Life.

23
Mar18

LETRAS LUSAS: "Cadáveres às Costas", de Miguel Real

Resultado de imagem para Cadáveres às Costas Miguel Real

 

Editora: D. Quixote

 

Sinopse: Após a morte do pai, um jovem abandona o curso de Direito e aluga um pequeno apartamento no sótão de um palacete de Lisboa, com o fito de escrever um romance. Aí vive a família Peralta Perestrêllo, cuja matriarca centenária - d. Consolação, há muito acamada - é visitada no dia 13 de Maio de 2017 pela aparição da irmã Lúcia, após o que consegue erguer-se e dar uns passinhos. 

Filho, nora e netos ficam hesitantes quanto a acreditar no suposto milagre; mas cada um a seu modo (e também a Igreja, chamada imediatamente para avaliar a situação) descobre como retirar dividendos do episódio - o mesmo acontecendo, aliás, com o jovem escritor que, sem ideias para o seu romance de estreia, tem subitamente um filão ao dispor, para não falar do seu interesse pela neta mais nova da miraculada… 

Porém, entre as aparições, a depressão da mãe viúva, a história secular do palacete e o passado e presente da família Peralta, que não se recomenda, chegará a escrever uma página que seja?

Cheio de humor (mas também de crítica e até de alguma verrina), Cadáveres às Costas é um romance admirável sobre Portugal (e a mentalidade portuguesa) que, apesar do século XXI, ainda não conseguiu curar-se de muitas das feridas do passado.

 

Resultado de imagem para Miguel Real

 

Miguel Real nasceu em Lisboa, em 1953, e é sintrense por adopção. Licenciado em Filosofia pela Universidade de Lisboa e Mestre em Estudos Portugueses pela Universidade Aberta, com uma tese sobre Eduardo Lourenço e a Cultura Portuguesa. Professor de Filosofia no Ensino Secundário e especialista em Cultura Portuguesa, Miguel Real possui uma vasta obra dividida entre o ensaio, a ficção e o drama, tendo recebido o Prémio de Revelação nas áreas da Ficção e do Ensaio Literário da Associação Portuguesa de Escritores, o Prémio Ler/Círculo de Leitores, o Prémio da Associação dos Críticos Literários, o Prémio Fernando Namora da Sociedade Estoril-Sol, atribuído ao romance A Voz da Terra, também finalista do Prémio de Romance e Novela da APE, e o Prémio SPA Autores pelo romance O Feitiço da Índia. É colaborador permanente do JL (Jornal de Letras), onde faz crítica literária. É autor dos romances A Voz da TerraAs Memórias Secretas da Rainha D. Amélia, A Guerra dos Mascates, O Feitiço da Índia, A Cidade do Fim e O Último Europeu, entre outros, tendo ainda publicado os ensaios Nova Teoria do Mal, Nova Teoria da Felicidade e Nova Teoria do Sebastianismo.

 
23
Mar18

ESPECIAL TV: "A Última Ceia" c/ Chefe Diogo Noronha (Canal História - 22h40)

Foto de HISTÓRIA.

 

Com o motivo de celebrar a Páscoa, o Canal História lança, pelo sexto ano consecutivo, o desafio gastronómico único e exclusivo a um Chefe conceituado para a recriação da Última Ceia de Jesus Cristo e os apóstolos, adaptando-a a um estilo inovador. Diogo Noronha é o Chefe convidado em 2018.

 

Esta sexta-feira, às 22h40, não perca o especial "A Última Ceia", no Canal História.

 

De 27 de Março a 1 de Abril, a ementa recriada pelo Chefe Diogo Noronha será servida no restaurante Pesca, em Lisboa. 

 

Foto de HISTÓRIA.

23
Mar18

JOGO PREPARAÇÃO: Portugal x Egipto (RTP1 - 19h45)

Foto de Seleções de Portugal.

 

A Selecção Nacional prepara-se para o Campeonato Mundial de Futebol 2018. Esta sexta-feira, a Selecção das Quinas defronta o Egipto, no Estádio Letzigrund, em Zurique, na Suíça. Três dias depois, a 26 de Março, os portugueses enfrentam a selecção da Holanda, em Genebra. Estas partidas servem igualmente para aproximar a "Equipa de Todos Nós" dos muitos milhares de emigrantes portugueses estabelecidos na Europa Central.

 

22
Mar18

CINE ESTREIA: "Aparição", de Fernando Vendrell

 

Realização: Fernando Vendrell

Argumento: João Milagre e Fátima Ribeiro (baseado na obra literária de Vergílio Ferreira)

Música: Eduardo Raon

Produção: David & Golias (Fernando Vendrell e Luís Alvarães)

 

Elenco: Jaime Freitas, Victoria Guerra, João Cachola, Rita Martins, Dinis Gomes, Ricardo Aibéo, Teresa Madruga, Rui Morisson, Inês Trindade, João Lagarto, João Vaz, Isac Graça, Figueira Cid, Cláudia Lázaro

 

Sinopse: Adaptação de uma das obras incontornáveis de Vergílio Ferreira, "Aparição", publicada em 1959.
 

Final dos anos 50. Um jovem escritor e professor, Alberto Soares (Jaime Freitas), tem a sua primeira colocação no Liceu de Évora, uma cidade rural, inóspita e moralista. Encontra-se com o médico local e amigo do seu falecido pai, Dr. Moura (Rui Morisson), de quem logo se torna protegido e acolhido pelo seu núcleo familiar. Alberto deixa-se fascinar pelas suas belas filhas: Ana (Rita Martins), a mais velha, casada com o latifundiário Alfredo (Dinis Gomes), uma mulher inteligente, carente e frontal; Sofia (Victoria Guerra), uma jovem provocadora, sensual e inconsequente; e Cristina (Inês Trindade), a mais nova, um inatingível e inocente talento musical. Alberto começa a tomar notas para um futuro romance inspirado pela sua nova vida em Évora. No liceu, durante as suas aulas, expõe os seus pensamentos e impressiona um aluno em particular, Carolino (João Cachola). Ainda de luto pela morte do pai, as suas convicções existencialistas geram polémica na cidade provinciana e acaba por entrar em choque com Chico (Ricardo Aibéo), um intelectual frustrado, amigo da família e primo de Carolino. A obsessão de Alberto pela morte torna-se cada vez mais real e avassaladora, tornando-o na personagem central do livro que pretende escrever. O envolvimento de Alberto com a família do Dr. Moura resulta ainda numa relação amorosa e cúmplice com Sofia que o perturba e seduz e cuja leviandade a leva a um namoro com Carolino que, enamorado, desenvolve uma rivalidade passional, despoletando uma espiral de violência.

 

Prémio: Melhor Filme Português no Fantasporto - Festival de Cinema Internacional do Porto 2018

 

 

Resultado de imagem para fernando vendrell

 

Fernando Vendrell nasceu em Lisboa, em 1962. Em 1985, formou-se em Montagem na Escola Superior de Teatro e Cinema, no Conservatório Nacional. Foi assistente de realização e trabalhou com realizadores como Manoel de Oliveira, José Fonseca e Costa, João César Monteiro, Raoul Ruiz (Chile), João Canijo, Manuel Mozos, Luís Alvarães, entre outros. Em 1992, fundou a produtora independente David & Golias. Em 2003, licenciou-se em Cinema - Ramo de Produção, na Escola Superior de Teatro e Cinema. Foi professor convidado na Escola Superior de Teatro e Cinema  (1995/97) e no curso de Cinema da Universidade Lusófona (2003/5). É realizador e produtor, tendo produzido mais de 40 longas e curtas-metragens, séries de televisão, telefilmes e documentários. Realizou as séries "Bocage" (RTP1, 2006), "O Dia do Regicídio" (RTP1, 2008) e "3 Mulheres", que estreia em breve na RTP1.

 

Filmografia:

 

Aparição (2018)

Pele (2006)

14 de Fevereiro (a 1 de Abril) (curta-metragem, 2003)

As Minhas Férias (curta-metragem, 2003)

Jogo da Glória (telefilme, 2002)

O Gotejar da Luz (2002)

Almirante Reis (curta-metragem, 2000)

Aniversário no Banco (telefilme, 1999)

Fintar o Destino (1998)

 

 

 

Resultado de imagem para aparição vergílio ferreira 

 

Vergílio Ferreira nasceu em Melo, no concelho de Gouveia, em 1916. Estudou no Seminário do Fundão, licenciou-se em Filologia Clássica na Universidade de Coimbra e exerceu funções docentes no Ensino Secundário. Notabilizou-se no domínio da prosa ficcional, sendo um dos maiores romancistas portugueses do século XX. Literariamente, começou por ser neo-realista (anos 40), com "Vagão Jota" (1946), "Mudança" (1949), etc. Mas, a partir da publicação de "Manhã Submersa" (1954) e, sobretudo, de "Aparição" (1959), Vergílio Ferreira adere a preocupações de natureza metafísica e existencialista. A sua prosa, que entronca na tradição queirosiana, é uma das mais inovadoras dos ficcionistas do século XX. O ensaio é outra das grandes vertentes da sua obra que, aliás, acaba por influenciar a sua criação romanesca. Temas como a morte, o mistério, o amor, o sentido do universo, o vazio de valores, a arte, são recorrentes na sua produção literária. Além disto, Vergílio Ferreira deixou-nos vários volumes do diário intitulado "Conta-Corrente". Recebeu o Prémio Camões em 1992. Faleceu em 1996.

 

 

Resultado de imagem para aparição vergílio ferreira

 

22
Mar18

CINE ESTREIA: "No Intenso Agora" c/ banda sonora de Rodrigo Leão

 

País: Brasil

Argumento e Realização: João Moreira Salles

Música original: Rodrigo Leão (Portugal)

 

Sinopse: Filme-ensaio feito a partir de imagens de arquivo, imagens que documentam aqui e ali o ambiente socio-económico a partir de meados dos anos 60, na China, em França, na Checoslováquia... e no Brasil.

 

Feito a partir da descoberta das cenas que uma turista – a mãe do realizador – filmou na China em 1966, durante o início da Revolução Cultural, "No Intenso Agora" trata da natureza efémera dos momentos de grande intensidade emocional. Às cenas da China, somam-se imagens de arquivo dos eventos de 1968 na França, na Checoslováquia e, em menor extensão, no Brasil. Na tradição do filme-ensaio, o documentário interroga como as pessoas que participaram daqueles acontecimentos – vividos com alegria, encantamento, convicção generosa, medo, decepção, desalento – seguiram adiante depois do arrefecimento das paixões.

 

Prémios: Melhor Documentário no Cinema du Réel 2017 (França)

Melhor Banda Sonora no Cinema du Réel 2017 (França)

 

O documentário brasileiro "No Intenso Agora" tem música original composta pelo português Rodrigo Leão, premiada no festival francês Cinema du Réel.

 

 

rodrigo leão 2.jpg

 

Rodrigo Leão nasceu em Lisboa, em 1964. Músico e compositor, tornou-se conhecido nas bandas Sétima Legião e Madredeus. Rodrigo Leão é um dos mais talentosos músicos portugueses e tem trabalhado com grandes nomes da música internacional. É autor de bandas sonoras para filmes, séries (Gato Fedorento, Equador), documentários e séries documentais (Portugal - Um Retrato Social), muitas delas premiadas.

 

Bandas sonoras para filmes:

 

No Intenso Agora (doc., Brasil, 2018)

100 Metros (Espanha, 2016)

Nascimento de uma ideia (vídeo curta-metragem, 2014)

Herculano (curta-metragem, 2013)

Njinga, Rainha de Angola (2013)

O Mordomo (EUA, 2013)

O Frágil Som do Meu Motor (2012)

June (curta-metragem, Macau, 2011)

42,195 km (curta-metragem documental, 2010)

Castelos no Ar (curta-metragem, 2008)

Antes de a vida começar (2006)

Um Passo, Outro Passo e Depois... (1991)

22
Mar18

TV: Campeonato Europeu de Ralis - Rali dos Açores (Eurosport 1 - 22 a 24 Março)

 

A ilha de S. Miguel, no Açores, volta a receber a primeira prova da temporada, que marca o arranque de mais um emocionante Campeonato Europeu de Ralis. O Sata-Rali dos Açores realiza-se entre 22 e 24 de Março e vai poder ser visto no Eurosport.

 

Na 53.ª edição do prestigiado rali vão estar presentes 76 equipas concorrentes, das quais 37 são em viaturas R5. O russo Alexey Lukyanuk e o alemão Marijan Griebel, segundo classificado na edição de 2017, são alguns dos pilotos importantes que marcam presença na prova lusa. Frank Tore Larsen, campeão norueguês de 2014, Hermann Neubauer, campeão austríaco de 2016, Fabian Kreim, campeão alemão de 2017, e Frederik Ahlin, vice-campeão britânico de 2017 são outros dos concorrentes de peso nos Açores.

 

Quanto aos nomes portugueses na lista de inscritos constam Bruno Magalhães, vencedor do Rali dos Açores do ano passado, Carlos Vieira, campeão nacional em título, Ricardo Moura, José Pedro Fontes e Bernardo Sousa.

 

Para além da etapa nos Açores, o calendário do Europeu de Ralis prevê passagens pelas Canárias, Espanha, Grécia, Chipre, Polónia, República Checa e Itália, terminando a 8 de Outubro, na Letónia. Será um misto de provas em pisos de terra e asfalto.

 

Todas as provas do ERC terão transmissão no Eurosport - resumo de meia hora no final de cada dia de competição - e magazine na 3ª feira seguinte.

 

21
Mar18

TEATRO: Ivone, Princesa de Borgonha (Teatro do Bairro, Lisboa - 21 Março a 8 Abril)

Resultado de imagem para teatro do bairro IVONE PRINCESA DA BORGONHA

 

De: Witold Grombowicz (Polónia, 1904 - 1969)

Encenação: António Pires

Tradução: Luísa Costa Gomes

Cenografia: João Mendes Ribeiro

Figurinos: Luís Mesquita

Ilustração: Joana Villaverde

Música: Paulo Abelho

 

Com: Maria João Luís, Marcello Urgeghe, João Barbosa, Mário Sousa, Alexandra Sargento, Hugo Mestre Amaro, Cláudia Alfaiate, Nuno Casanovas, Francisco Vistas, Carolina Campanela

 

Sinopse: A comédia, assim definida pelo autor, que Luísa Costa Gomes traduziu, é uma paródia shakespeariana com uma estrutura dramática clássica. A encenação é de António Pires, que conta com a versátil e excelente actriz Maria João Luís que regressa ao palco do Teatro do Bairro. No elenco, a par dos actores residentes da Companhia do Teatro do Bairro, estão também outros actores convidados, como Marcello Urgeghe , João Barbosa e Nuno Casanovas que, ao longo dos anos, têm integrado pontualmente os espectáculos do encenador , sendo seus cúmplices na linguagem cénica e forma de estar em palco.

 

"…Feita à maneira de uma tragédia clássica, IVONE tem os seus cinco actos e acaba… enfim, logo verão como acaba. Basta dizer que «bestialidade, selvajaria, idiotice e falta de sentido não param de crescer ao longo de toda a peça». Como todos os grandes textos, IVONE é também ele, implacavelmente obtuso. Parece encarrilar numa rota de racionalidade delirante em que tudo é necessidade. Quando nos parece que vislumbrámos o sentido da «explicação», caímos no buraco de outras tantas leituras possíveis. Que espécie de coisa é esta paródia de tragédia, que parece mais leve do que realmente é, bem mais profunda e complexa do que aparenta ser, talvez num movimento palaciano de dissimulação dos horrores sobre os quais assenta todo o poder…" (Luísa Costa Gomes)

 

A acção decorre num tempo indefinido e num reino imaginário. Conta a história de Ivone, uma jovem plebeia insignificante, taciturna e feia, calada e apática, que o filho do rei pretende para sua noiva, mas cuja passividade desperta os mais recônditos impulsos assassinos da corte. O príncipe herdeiro do trono sofre de fartura. Mimado pelos pais, com uma educação esmerada e com um futuro brilhante, tudo pode ter. Acreditando ser o destino, encalha em Ivone, a aventesma queda e muda, surpreendendo-se a si próprio. Contra o protocolo real, envolve-se com Ivone, decidindo casar com ela, perante a perplexidade dos pais e a troça dos amigos. Ridicularizada pelos cortesãos, e apesar das repetidas tentativas, ninguém consegue fazê-la falar e a tensão vai subindo. Ivone continua muda e o seu silêncio é encarado como uma provocação. Até que se descobrem segredos macabros supostamente bem guardados.

 

Resultado de imagem para Ivone, princesa de borgonha teatro do bairro

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D