Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

alma-lusa

alma-lusa

28
Abr14

Ticha Penicheiro no Corredor da Fama do Desporto da Virgínia

 

A ex-basquetebolista portuguesa Ticha Penicheiro entrou, no passado sábado, para o Corredor da Fama do Desporto do estado da Virgínia, nos Estados Unidos. No sítio oficial do Hall of Fame da Virgínia lê-se que "Ticha Penicheiro foi uma excelente jogadora de basquetebol na Universidade de Old Dominion entre 1994 e 1998 e levou as Lady Monarchs ao título da NCAA (campeonato universitário) em 1997."

 

Patrícia Nunes Penicheiro nasceu a 18 de Setembro de 1974, na Figueira da Foz. Começou a jogar basquetebol aos 6 anos de idade, tendo passado pelo Ginásio Figueirense e União de Santarém, em Portugal. Grande parte da sua carreira como sénior foi feita na WNBA, a competição mais importante do basquetebol feminino norte-americano. Começou por jogar basquetebol universitário pela Old Dominion University (estado da Virgínia), entre 1994 e 1998, e, em 1998, ingressa na WNBA, com a equipa das Sacramento Monarchs (estado da Califórnia), tendo ficado em 3º lugar no prémio de estreante do ano. Em 1999 e 2000, foi seleccionada para a equipa ideal da WNBA. Em 2005, sagrou-se campeão da WNBA pelas Sacramento Monarchs. Durante as paragens da liga feminina norte-americana, Ticha Penicheiro actuou também em várias equipas europeias, tendo inclusive jogado no Algés e Dafundo, em 2010/11.

 

Considerada a melhor basquetebolista portuguesa de sempre, Ticha Penicheiro representou Portugal em mais de 100 ocasiões. Retirou-se da competição em 2013 e, do seu palmarés, constam os títulos de campeã da WNBA (2005), vencedora da Euroliga (2007), campeã da Rússia (2007), campeã de França (2005), bicampeã da Polónia (2000 e 2001) e campeã de Portugal (1993). Abandonou a carreira como a "rainha" das assistências da WNBA: lidera a lista histórica em termos totais (2597) e de média (5,7).

 

Em 1999, foi agraciada pelo Presidente da República Jorge Sampaio com o grau de Oficial da Ordem do Infante D. Henrique e, em 2005, recebeu a Medalha de Honra do Mérito Desportivo, concedida pelo governo português.

 

 

 

28
Abr14

Portugal Open 2014 (26 Abril a 4 Maio - RTP2 e Eurosport 2)

 

 

O Portugal Open é, actualmente, o mais antigo torneio combinado do ATP World Tour e WTA na temporada primaveril de terra batida. Esta é a 25ª edição do maior torneio de ténis do país e realiza-se entre os dias 26 de Abril e 4 de Maio, no Estádio Nacional do Jamor, no concelho de Oeiras.

 

Os tenistas portugueses a competir nos quadros principais masculinos e femininos do Portugal Open 2014 são: João Sousa (nº1 português), Rui Machado, Gastão Elias e Maria João Koehler.

 

A RTP2 e a Eurosport 2 transmitem, diariamente, a partir desta 2ª feira, partidas do Portugal Open 2014.

 

 

 

 

27
Abr14

Vasco Graça Moura (1942 - 2014)

 

Faleceu hoje, aos 72 anos de idade, o poeta, ensaísta e político social-democrata Vasco Graça Moura.

 

Natural do Porto, Vasco Graça Moura era uma das maiores figuras da cultura portuguesa. Licenciou-se em Direito na Universidade de Lisboa e deixou de exercer advocacia na década de 1980. Poeta e tradutor de grandes poetas, romancista, ensaísta, dramaturgo, cronista, antologiador, historiador, advogado, político, gestor cultural, foram algumas das suas várias facetas profissionais. As facetas de poeta e tradutor eram as mais reconhecidas: é autor de quase 30 livros de poesia e traduziu grandes obras, directamente do espanhol, do francês, do italiano, do inglês e do alemão, como "A Divina Comédia", de Dante, ou a integral dos "Sonetos", de William Shakespeare. Traduziu também algumas das peças de teatro mais importantes dos três grandes dramaturgos franceses do século XVII: Corneille, Molière e Racine.

 

A ficção e os ensaios são outras facetas reconhecidas de Vasco Graça Moura. Títulos como "Luís de Camões, Alguns Desafios" (1980), "Camões e a Divina Proporção" (1985) ou "Os Penhascos e a Serpente" (1987) colocam Vasco Graça Moura num lugar de relevo entre os camonistas contemporâneos. De realçar também os seus ensaios que abordam temas tão variados como os Descobrimentos, a pintura portuguesa da Renascença, a construção da identidade cultural europeia, o fado, a pintura de José Rodrigues ou Graça Morais, a literatura de David Mourão-Ferreira ou Vitorino Nemésio, entre outros. Em 2013, celebrou 50 anos de vida literária.

 

Vasco Graça Moura era militante do PSD, desempenhou vários cargos governamentais e foi eurodeputado, entre 1999 e 2009. Foi administrador da Imprensa Nacional - Casa da Moeda, presidiu à Comissão para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses e era actualmente presidente do Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

 

A sua obra foi distinguida em várias ocasiões, como o Prémio Pessoa 1995. Em Janeiro deste ano, foi condecorado pelo Presidente da República, Cavaco Silva, com a Grã-Cruz da Ordem de Sant'Iago da Espada durante uma homenagem que lhe foi prestada na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Vasco Graça Moura era contra o Acordo Ortográfico, actualmente em vigor em Portugal, que considerava um crime de lesa-língua, tendo dedicada um ensaio a este tema, em 2008, intitulado "Acordo Ortográfico: a Perspectiva do Desastre".

 

Com a morte de Vasco Graça Moura, a cultura portuguesa perde uma das suas grandes figuras. O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, lamentou o seu desaparecimento dizendo que este é um "momento de luto para a cultura" portuguesa e "para a vida cívica do país". Para Passos Coelho, "Portugal perdeu hoje um dos seus maiores cidadãos" realçando que Vasco Graça Moura deixou um "vasto legado literário, marcado pela inspiração e pela dedicação à língua portuguesa, que enriqueceu como poucos, uma constante procura da identidade nacional e um clarividente pensamento sobre as raízes, a herança política e filosófica e o futuro da Europa."

 

 

 

26
Abr14

Telma Monteiro conquista bronze e faz história nos Europeus de Judo

 

A judoca portuguesa Telma Monteiro conquistou a medalha de bronze, na categoria de -57 kg, nos Europeus de Judo, na cidade francesa de Montpellier, e fez história ao conquistar a 10ª medalha em outras tantas participações em Campeonatos da Europa. 

 

Para chegar ao 3º lugar do pódio, a judoca lusa começou por derrotar a suíça Emilie Amaron mas, depois, foi derrotada pela austríaca Sabrina Filzmoser, tendo de ir às repescagens. Aqui, começou por vencer a húngara Hedvig Karakas e, no combate decisivo, levou a melhor sobre a romena Corina Caprioriu.

26
Abr14

Hernâni Gonçalves (1940 - 2014)

 

Faleceu ontem, aos 73 anos de idade, Hernâni Gonçalves, antigo preparador físico da selecção nacional de futebol, do FC Porto e do Boavista. Ficou conhecido como o "Professor Bitaites" pelas constantes piadas que fazia em torno do futebol.

 

Hernâni Gonçalves nasceu a 8 de Setembro de 1940, em Bragança. Na adolescência, rumou ao Porto para prosseguir os seus estudos, tendo continuado o seu percurso de formação em Lisboa, Bruxelas e Madrid. Licenciou-se em Educação Física, especializou-se em Desporto de Alto Rendimento e, mais tarde, ainda fez um curso de treinador.

 

Na década de 1970, entrou no FC Porto para trabalhar com o treinador José Maria Pedroto, técnico com o qual conquistou 8 campeonatos nacionais e 9 Taças de Portugal. Foi ainda com Pedroto que, mais tarde, rumou ao Boavista e à Selecção Nacional, à qual regressaria, sob o comando de António Oliveira, no Euro 96. Foi comentador desportivo em vários órgãos de comunicação e, durante muito tempo, fez parte do painel de comentadores do programa "Liga dos Últimos", da RTP.

 

Fora do futebol, Hernâni Gonçalves, militante socialista, foi vereador na Câmara Municipal do Porto, com o pelouro da Qualidade de Vida, durante a presidência de Fernando Gomes.

26
Abr14

25 ABRIL 40 ANOS: Estética, Propaganda e Utopia no Portugal do 25 de Abril/ Terra da Fraternidade (RTP2/ sábado e domingo, 26 e 27 Abril)

 

 

"Estética, Propaganda e Utopia no Portugal do 25 de Abril" (sábado, 21h50)

 

Realização: Paulo Seabra

Produção: Galeria Zé dos Bois

 

Sinopse: Após o 25 de Abril de 1974, a Estética e Propaganda mais significativa está ligada aos suportes políticos de produção rápida e, na maioria das vezes, de baixo orçamento, como o caso dos murais políticos que preencheram as paredes de todo o Portugal. É principalmente através do uso do suporte cartaz que nos surgem alguns dos trabalhos mais relevantes desse período. Por outro lado, surgem os cartoonistas: Cid, Sam, João Abel Manta e Vilhena. Os projectos orientam-se num mesmo sentido: festivo, provocatório e utopicamente dialogante com todos os cidadãos.

 

Aparecem as acções performativas dos grupos Acre (Clara Menéres, Alfredo Ribeiro e Lima de Carvalho) e Puzzle (Albuquerque Mendes, Carlos Carreira, Dario Alves, Gerardo Burmester, Graça Morais, João Dixo, Jaime Silva e Pedro Rocha). Aparecem novos jornais, como a Luta, o Jornal, o Jornal Novo, O Diabo, A Rua, o Avante, o Povo Livre, etc, a par da Seara Nova, da revista Opção, do Expresso, Capital, DN, Diário Popular, O Retornado, Tal e Qual, surgem também as revistas humorísticas, Gaiola Aberta.

 

 

 

 

"Terra da Fraternidade" (domingo, 21h50)

 

Produção: Hora Mágica

 

Sinopse: A 40 anos da Revolução dos Cravos, Portugal é novamente abalado por ventos de revolta. Alvo do descontentamento popular, já não é o punho de ferro político e social de uma ditadura interna mas a austeridade económica imposta por governos estrangeiros, mercados financeiros e organizações supranacionais. Todavia, a palavra de ordem que inflama as praças continua a ser a mesma: o povo é quem mais ordena. Um pai e uma filha, com percursos distintos mas unidos na mesma luta, guiar-nos-ão numa viagem através da revolução que foi e daquela que, porventura, virá a ser.

 

 

26
Abr14

ESTREIA TV: Ingrediente Secreto (RTP1 - 10h40)

RTP1 - Ingrediente Secreto

 

A nova temporada do "Ingrediente Secreto", apetitoso programa de cozinha apresentado pelo Chef Henrique Sá Pessoa, estreia sábado, dia 26 de Abril, e ganha uma nova casa: a RTP1.

Com um novo formato de 40 minutos, o programa "Ingrediente Secreto" vai apresentar semanalmente aos seus espectadores, para além das habituais deliciosas receitas que fazem crescer água na boca, vários desafios e surpresas. Contará com a presença regular de convidados, que serão desafiados a ir às compras e a cozinhar com o Chef. Os apresentadores e jornalistas Mário Augusto, Catarina Furtado, Vasco Palmeirim, a actriz São José Lapa e o músico Paulo Furtado são alguns dos convidados de Henrique Sá Pessoa que abrilhantarão esta nova temporada.

A quarta temporada de "Ingrediente Secreto" será emitida aos sábados, mesmo antes da hora de almoço, na RTP1.

 

 

 

25
Abr14

25 de Abril, Sempre!!!

 

Esta é a madrugada que eu esperava

O dia inicial inteiro e limpo

Onde emergimos da noite e do silêncio

E livres habitamos a substância do tempo.

 

(Sophia de Mello Breyner Andresen)

 

 

25
Abr14

ESPECIAL 25 ABRIL - Canal de História

 

17h20 - A República Portuguesa

 

Em Portugal não há memória de outro sistema político para além dos republicanos. A monarquia caiu há 103 anos e, desde então, os homens de sangue azul não voltaram a controlar a nação. Mas antes de 5 de Outubro de 1910, o poder da realeza em Portugal via-se gravemente ameaçado. A 1 de Fevereiro de 1908, por exemplo, o Rei D. Carlos e o príncipe D. Luís Filipe foram assassinados em Lisboa. Os dois anos seguintes foram de liderança débil, dirigidos por D. Manuel, que provavelmente nunca pensou assumir o trono e muito menos numa idade tão jovem.

 

Este momento sangrento é o ponto de partida para este documentário. Num momento em que a porta está aberta para a mudança permanente. Porque caiu a monarquia e como se estabeleceu um regime republicano que mantinha quase todos os vícios da monarquia? As respostas são dadas pelas personagens principais deste drama. Basear-nos-emos no testemunho dos descendentes dos primeiros presidentes da República e também no dos últimos chefes de Estado. Cada um à sua maneira irá ajudar-nos a compreender as três etapas diferentes do exercício do poder. Ajudar-nos-á a analisar a instabilidade da primeira etapa Republicana, a ditadura da segunda e a estabilidade conseguida na terceira fase.

 

18h15 - Revolução Estudantil de Coimbra

 

«Sua Ex.ª Senhor Presidente da República, dá-me licença que use da palavra nesta cerimónia em nome dos estudantes da Universidade de Coimbra?» O pedido foi feito por Alberto Martins, então presidente da Associação Académica de Coimbra, ao Presidente Américo Thomaz. A palavra foi-lhe negada e a cerimónia terminou. Estávamos a 17 de Abril de 1969 e o dia tornar-se-ia histórico para os estudantes universitários de Coimbra e para todos os portugueses. Aquela simples cerimónia de inauguração do Edifício das Matemáticas da Universidade de Coimbra transformou-se num dos momentos mais importantes na resistência à ditadura. A recusa das autoridades em ouvir os estudantes acendeu um rastilho de indignação que acabaria por mergulhar Coimbra num estado generalizado de desobediência cívica. As tradicionais receitas repressivas do Estado para controlar a revolta não só falharam, como ainda serviram para reforçar a unidade estudantil sob o domínio da esquerda, contra a direita fascista.

 

O que aconteceu aos estudantes de então? Como vêem o presente e adivinham o futuro? Procuramos nas fotografias e nos relatos da época quem foram os protagonistas deste episódio e, hoje, vamos reencontrá-los para ouvir, na primeira pessoa, os relatos de um episódio que mudou a História de Portugal. Quarenta anos depois, pretendemos recordar um tempo de censura e de vozes silenciadas, mas queremos também mostrar que esse foi ainda um tempo de coragem e de determinação em que jovens estudantes sonhadores lutaram contra os poderes instituídos para que o país conquistasse um dos bens mais elementares do indivíduo: A LIBERDADE.

 

19h10 - O Último Dia da Revolução

 

No Verão de 1975 pairavam sobre Portugal um desconforto e uma tensão latentes. A seguir à euforia vivida em 1974, vinham agora as verdadeiras revoltas. Multiplicavam-se as greves e as manifestações. As relações entre as pessoas deterioravam-se. O Verão de 1975 é marcado por ataques às sedes dos partidos políticos, principalmente as do PCP situadas no Norte. No Sul, Alentejo, muitas terras e habitações foram ocupadas pelos trabalhadores rurais que procuravam uma melhor forma de subsistência. Na cidade de Lisboa, um grupo de feministas fez uma manifestação e queimou tachos, panelas e soutiens, símbolos da antiga forma como as mulheres eram vistas. A 12 de Novembro um grupo de trabalhadores cerca a Assembleia da República com os deputados lá dentro. Quando estes saem, ao fim de algumas horas de clausura, são apupados à porta. Todos, menos os deputados do PCP. Os militares estão atentos a este sinal. A 5ª Divisão do Estado-Maior das Forças Armadas publica no seu boletim oficial: "Queremos o Socialismo, sim…mas não o da Suécia, da Noruega ou da Holanda… o Socialismo que queremos é o da RDA, da Polónia, Bulgária, Roménia…"

 

Esta sucessão de episódios vai acelerar o desfecho do Período Revolucionário em Curso e, a 25 de Novembro, as tropas estão de novo nas ruas, mas não todas do mesmo lado. Dois entendimentos diferentes de Liberdade e de Democracia confrontam-se no Portugal de 1975. Neste confronto existe a possibilidade de Portugal, membro fundador da NATO, entrar para a lista dos países comunistas. No lado de lá do Oceano, os americanos assistem apreensivos ao desenrolar dos acontecimentos. Chega a colocar-se a hipótese de invadir o país. Será que sim? Ou será que não foi nada assim? O PCP avançou para o conflito? Ou temeu a Guerra Civil? Porquê? Será que a Espanha pensou em dominar a "desordem" no país vizinho, sobretudo depois da vandalização da sua Embaixada? Estas são as questões que queremos ver esclarecidas. Para o fim deixamos a hipótese: e se, em 25 Novembro de 1975, Portugal se tivesse tornado num país comunista, aliado da URSS? Como seria a Diplomacia nos últimos anos da Guerra Fria?

 

20h00 - 25 Minutos de uma Revolução

 

O dia 25 de Abril de 1974 ditou o fim da ditadura e o início de um país livre, democrático e sem repressões. Uma operação levada a cabo por um grupo de militares portugueses que ousaram desafiar o regime, escrevendo uma das páginas mais marcantes da história de um país. Um dia incontornável para Portugal que, agora, será revisitado pela voz de muitos dos que trouxeram para a rua a Revolução dos Cravos.

 

 

25
Abr14

ESPECIAL 25 ABRIL - TV Cine 2

 

Cinema Português: 40 Anos de Abril

 

12h50 - "Aristides de Sousa Mendes - O Cônsul de Bordéus", de Francisco Manso e João Correa (2011)

 

A história de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940. Durante a II Guerra Mundial, desafiou as ordens expressas de Salazar e concedeu mais de 30 mil vistos de entrada em Portugal a refugiados que desejavam fugir de França.

 

14h25 - "Que farei eu com esta espada?", de João César Monteiro (1975)

 

A Revolução dos Cravos está ameaçada pela ingerência de certas potências estrangeiras que nela vêem um perigo. No rio Tejo pairam navios aliados da NATO, de entre os quais se destaca o porta-aviões norte-americano Saratoga.

 

15h35 - "Operação Outono", de Bruno de Almeida (2012)

 

"Operação Outono" é um thriller político sobre a operação que levou ao assassinato de Humberto Delgado, pela PIDE, em Fevereiro de 1965, em Villanueva del Fresno, Espanha.

 

17h10 - "NON ou a Vã Glória de Mandar", de Manoel de Oliveira (1990)

 

Um soldado português na guerra em África conta aos seus camaradas diversos episódios da História de Portugal.

 

19h00 - "Cinco Dias, Cinco Noites", de José Fonseca e Costa (1996)

 

Obrigado ao exílio pelo regime de Salazar, um rapaz tenta fugir às autoridades. Baseado no romance de Manuel Tiago, o pseudónimo de Álvaro Cunhal, o líder histórico do Partido Comunista Português.

 

20h40 - "Um Adeus Português", de João Botelho (1985)

 

Um casal de agricultores vai a Lisboa lembrar o filho morto na guerra de África.

 

22h00 - "Balada da Praia dos Cães", de José Fonseca e Costa (1987)

 

No início dos anos 60, aparece na Praia dos Cães o cadáver de um homem brutalmente assassinado. O cadáver é identificado como sendo o do major Dantas, um homem procurado pelas autoridades após a sua evasão de uma prisão militar...

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D