Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

alma-lusa

alma-lusa

09
Dez11

ISTO É PORTUGAL! - Tapetes Piódão

 

 

 Origem: Arganil

 

Quando, em 1992, Carlos Fernandes Ribeiro se juntou a outros dois sócios - que acabariam por abandonar a empresa dois anos mais tarde, com o falecimento do fundador - para lançar a primeira pedra do Grupo Piódão, estava, na verdade, a puxar o fio de um negócio continuado por mais duas gerações dos seus herdeiros, com vista para o casario de xisto e lousa daquela que é uma das aldeias mais típicas de Portugal.

 

A paixão pelos têxteis artesanais fez a empresa pisar firme no mercado dos tapetes, chegando a abrir, em 2000, um segunda fábrica, em Espinho - entretanto encerrada - para dar conta das encomendas. Porém, recusando-se a ficar "na mão dos distribuidores", dez anos mais tarde estes produtores viraram-se para a produção de uma linha própria que, explica Filipe Silva, director de marketing, é a "menina dos nossos olhos", ainda que não seja o único sustento. Dedicada a coser o saber ancestral do artesanato com a irreverência da estética contemporânea, a marca Piódão prepara-se para mostrar mais novidades em 2012 e demonstra que não dá ponto sem nó: a comprová-lo, a Menção Honrosa que trouxe este ano da Estónia, nos DME Awards (Prémios Europeus de Gestão do Design), na categoria de pequena empresa.

 

É na fábrica de Arganil que ganham forma, cor e chão os tapetes e carpetes do Piódão Group, tufados à mão pelos trabalhadores da empresa. As ideias para o design e para as texturas também se alinhavam sob o testemunho silencioso da serra do Açor, contando com uma equipa de design residente e a colaboração pontual de designers, como Luís Nascimento e Filipe Alarcão ou os ateliês Pedrita, Zaven e Space Invaders.

 

Apostando na produção semiartesanal, "porque o mercado valoriza produtos individualizados e feitos à mão" e porque a razão entre o custo e a qualidade não compensa o investimento em maquinaria, é privilegiado o método esmirna ou hand tufted. A lã é cosida no tapete pelo verso, para ficar de pé, na face principal. Depois de aplicada a lã ponto por ponto, linha por linha, nascem os desenhos e formas, as misturas de materiais e os jogos de texturas e cores. A rematar, há ainda uma fase de acabamentos durante a qual se podem corrigir imperfeições e fazer o controlo de qualidade final.

 

Os tapetes Piódão têm preços de venda ao público que se estendem entre os 450 e os 500 euros o metro quadrado e podem ser encontrados em lojas de design, como a BCT Store, em Lisboa e no Porto. As encomendas também podem ser dirigidas directamente ao Piódão Group.

 

O respeito pelo meio ambiente também está entranhado nos tapetes Piódão. Os responsáveis da empresa garantem que apenas se admitem na sua composição fibras biodegradáveis e "naturais" - como a lã - ou "sustentáveis" - como a viscose, fabricada a partir da madeira ou da semente do algodão, e, em cujo processo de produção, já é possível minimizar os efeitos poluidores. Assim se vira a agulha a materiais derivados do petróleo como o nylon e o polipropileno.

 

1200 metros quadrados saem mensalmente da fábrica da marca. Para além da linha própria, há mais duas vertentes de negócio. A Piódão Pro, que produz tapetes personalizados, directamente para arquitectos e ateliês de design, bem como a Piódão Outsourcing. Este é o core-business da empresa e o seu "negócio mais rentável": representa 70% da produção, fazendo nascer produtos desenvolvidos para outras marcas mundiais conceituadas como as cadeias Rolf Benz, Moroso e Moooi.

 

(retirado do artigo "Portugal faz bem - Tapete exportador" publicado na edição nº 979 da revista VISÃO)

 

 

http://pt.piodaogroup.com/outsourcing.html

 

 

 

 

 
09
Dez11

"Entre os Dedos", de Tiago Guedes e Frederico Serra (RTP2/ Sábado, 10 - 23h50)

 

Após uma derrocada numa obra, Paulo perde o emprego porque denunciou a situação. A sua relação com a mulher vai deteriorando-se dia após dia. Anabela, a irmã de Paulo, vive com o pai de ambos, que sofre síndrome do Ultramar. Bela é enfermeira e o único conforto de um doente terminal. Famílias grandes noutros tempos e que agora se limitam a sobreviver dentro do destino que lhes coube. Uns resistem e esbracejam, lutam e não se conformam, outros deixam cair os braços e desistem. Com Isabel Abreu, Filipe Duarte, Fernanda Lapa, Nuno Lopes, Gonçalo Waddington.

 

 

09
Dez11

"Singularidades de uma Rapariga Loura", de Manoel de Oliveira (RTP2/ Sábado, 10 - 22h40)

 

Numa viagem de comboio para o Algarve, Macário conta as atribulações da sua vida amorosa a uma desconhecida senhora: Mal entra para o seu primeiro emprego, um lugar de contabilista num armazém em Lisboa do seu tio Francisco, apaixona-se perdidamente pela rapariga loira que vive na casa do outro lado da rua, Luísa Vilaça. Conhece-a e quer de imediato casar com ela. O tio discorda, despede-o e expulsa-o de casa. Macário consegue enriquecer em Cabo Verde e, quando já tem a aprovação do tio para finalmente casar com a sua amada, descobre então a "singularidade" do carácter da noiva. Um filme de Manoel de Oliveira adaptado do conto de Eça de Queiroz. Com Ricardo Trêpa, Catarina Wallenstein, Leonor Silveira e Luís Miguel Cintra.

 

 

 

09
Dez11

Fausto - No Final da Trilogia (RTP2/ Sábado, 10 - 21h00)

 

 

A produção do álbum "Em busca das montanhas azuis", de Fausto Bordalo Dias, iniciado em 2010, foi filmada por Miguel Bordalo e Miguel Ribeiro Fernandes, que captaram momentos diversos das diferentes fases, desde a produção das maquetas, onde se podem ouvir músicas na sua versão embrionária, até ao estúdio de gravação, onde se ouvem as músicas finalizadas, passando pelos ensaios e um concerto no Centro Cultural de Belém. O documentário conta com entrevistas a Fausto Bordalo Dias, Nuno Pacheco, Viriato Teles, músicos e técnicos envolvidos na produção do álbum. Fala-se da trilogia à qual este álbum pertence, a relação de Fausto com os músicos e com a música tradicional portuguesa, assim como do método de trabalho do autor. Mostram-se os detalhes, momentos e resultados do trabalho de Fausto Bordalo Dias no seu último disco de originais que encerra a trilogia "Lusitânia Diáspora", iniciada em 1982 com o álbum "Por este rio acima" e continuada em 1994 com "Crónicas da terra ardente".

 

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D