Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

alma-lusa

alma-lusa

21
Abr21

LETRAS LUSAS: "O Vício dos Livros", de Afonso Cruz

Bertrand.pt - O Vício dos Livros

 

 

Editora: Companhia das Letras

 

Sinopse: Na biblioteca do faraó Ramsés II estava escrito por cima da porta de entrada: «Casa para terapia da alma». É o mais antigo mote bibliotecário. De facto, os livros completam-nos e oferecem-nos múltiplas vidas. São seres pacientes e generosos. Imóveis nas suas prateleiras, com uma espantosa resignação, podem esperar décadas ou séculos por um leitor.

Somos histórias e os livros são uma das nossas vozes possíveis (um leitor é, mal abre um livro, um autor: ler é uma maneira de nos escrevermos).

Nesta deliciosa colheita de relatos históricos e curiosidades literárias, de reflexões e memórias pessoais, Afonso Cruz dialoga com várias obras, outros tantos escritores e todos os leitores.

Este é, evidentemente, um livro para quem tem o vício dos livros.

 

AFONSO CRUZ 2.jpg

 

Afonso Cruz nasceu em 1971, na Figueira da Foz. Estudou na Escola Secundária Artística António Arroio, em Lisboa, na Faculdade de Belas Artes, em Lisboa, e no Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira. É autor de romances como Para onde vão os guarda-chuvas ou Jesus Cristo bebia cerveja. Recebeu, entre outros: Grande Prémio de Literatura de Viagens Maria Ondina Braga, atribuído pela Associação Portuguesa de Escritores; Prémio Fernando Namora; Prémio Sociedade Portuguesa de Autores; Prémio Time Out - Melhor Livro do Ano; Prémio da União Europeia para a Literatura; Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco e Prémio Literário Maria Rosa Colaço. É escritor, ilustrador, cineasta e músico da banda The Soaked Lamb. Assina, desde Fevereiro de 2013, uma crónica mensal no Jornal de Letras, Artes e Ideias sob o título «Paralaxe». Recebeu vários prémios e distinções nas diversas áreas em que trabalha, vive no campo e produz cerveja artesanal. Os seus livros estão publicados em vários países.

21
Abr21

MAR DE LETRAS - Eugénio Lisboa (RTP África - 21h35)

Eugénio Lisboa

 

Aos 90 anos, Eugénio Lisboa, o ensaísta, escritor e crítico literário, nascido em Moçambique, continua a publicar. A sua última obra deve ser lida por todos os "leitores relutantes" e é o mote para mais um regresso ao "Mar de Letras" com uma conversa sobre o prazer de ler e escrever.

 

 

Vamos Ler! - Um Cânone para o Leitor Relutante by Eugénio Lisboa

21
Abr21

RUMOS - Zia Soares (RTP África - 21h00)

Zia Soares

 

Começamos com um artista com o imenso talento de transformar a palha em verdadeiras obras de arte. Fomos ao encontro do artesão Steve Espírito Santo, um cabo-verdiano com uma estória e sensibilidade incríveis que não pode mesmo deixar de conhecer.


Foi na Culturgest que a apresentadora Patrícia Figueiredo esteve à conversa com a encenadora e actriz Zia Soares sobre o espectáculo "O Riso dos Necrófagos" que a Companhia de Teatro Griot terá em cena, precisamente na Culturgest, até ao dia 23 de Abril.


Apresentamos-lhe o projecto de gastronomia Ma.Tay do Chef de origem cabo-verdiana Márcio Duarte, um jovem empreendedor e muito criativo que realizou o sonho de concretizar o seu próprio negócio na área da restauração.

 

No Páginas Soltas, a sugestão desta semana recai sobre o livro "Cova da Moura nos Títulos de Imprensa", de Jorge Humberto. Fique a conhecer esta obra.


Braids.Art. é um projecto de Inovação Comunitária, na comunidade da Tapada das Mercês (Sintra), criado por Patrícia Barros e Isa Marah Borges e, através do qual, se dedicam a contar a história e a enaltecer a beleza e a riqueza das tranças africanas e o seu legado cultural.

 

Terminamos com a nossa rubrica Gastronomia e com a angolana Carmen Panga que preparou um Gratinado de Bagre Fumado.

20
Abr21

TEATRO: O Riso dos Necrófagos (Culturgest, Lisboa - 20 a 23 Abril)

O RISO DOS NECRÓFAGOS, Teatro GRIOT | Culturgest – ineews the best news

 

Direcção: Zia Soares

Texto: Alda Espírito Santo, Conceição Lima, Zia Soares

Música original: Xullaji

Cenário e Figurinos: Neusa Trovoada

Produção: Teatro GRIOT

 

Elenco: Benvindo Fonseca, Binete Undonque, Daniel Martinho, Lucília Raimundo, Mick Trovoada, Neusa Trovoada, Vera Cruz, Xullaji, Zia Soares

 

Sinopse: O Riso dos Necrófagos começa nos vestígios da Guerra da Trindade encontrados na ilha de São Tomé, pela encenadora Zia Soares e pelo músico Xullaji, nas bocas dos que a viveram e dos que a ouviram contar, relatos de memórias desfocadas pela passagem do tempo. 

 

Nesta guerra os mortos foram amontoados em valas comuns ou no fundo do mar, num exercício de violência, perpetrado pelo invasor que acredita que, ao despojar os mortos dos seus nomes, os condena ao esquecimento. Mas para os santomenses, são presenças na ilha como símbolo encarnado e, para celebrá-los, anualmente no dia 3 de Fevereiro, cumprem um itinerário ritualístico, desfilando ao longo de várias horas numa marcha amplificadora de falas, cantos, risos e sons que saem de corpos convulsos.

 

O Riso dos Necrófagos é prolongamento desse percurso celebratório, entrópico, onde os actuantes manipulam tempos e imagens, desossam e riem do delírio, reconfigurando os vestígios e os fragmentos do morticínio, a partir da ideia de celebração - a festa, a liturgia e os aspectos ritualísticos do quotidiano.

 

O Teatro GRIOT é uma companhia de actores cujo trabalho se desenvolve a partir da tensão entre corpo e território, imaginários colectivos e individuais, operando num espaço de intersecção de territórios geográficos e simbólicos como ponto nevrálgico de um movimento artístico de contra-memória.

 

20
Abr21

ESTREIA TV: "Reunião" c/ Sara Martins (RTP2 - 22h05)

Sara Martins (à dta) é uma das protagonistas da série francesa "Reunião"

 

Esta terça-feira, a RTP2 estreia a série francesa "Reunião", que tem no elenco a actriz portuguesa Sara Martins.

 

"Reunião", série de 6 episódios do canal France 2, acompanha as aventuras de um casal que herda um hotel na Ilha da Reunião. Sara Martins interpreta "Victoire".

 

Sara Martins nasceu em Faro, em 1977. Mudou-se com a família para França aos 3 anos de idade. Estudou na Academia Nacional Francesa de Artes Dramáticas e, desde então, tem feito carreira na televisão e cinema franceses. No entanto, o papel que lhe deu mais destaque a nível internacional foi o da detective Camille Bordey na série franco-britânica "Death in Paradise", de 2011 a 2015, sendo que a sua personagem irá voltar na décima temporada.

 

De 2ª a 6ª, às 22h05, na RTP2.

 

19
Abr21

TEATRO: Catarina e a beleza de matar fascistas (Teatro Nacional D. Maria II, Lisboa - 19 a 26 Abril)

CATARINA E A BELEZA DE MATAR FASCISTAS

 

Texto e Encenação: Tiago Rodrigues

Cenografia: F. Ribeiro

Figurinos: José António Tenente

Música original: Pedro Costa

Coralidade e Arranjos Vocais: João Henriques

Voz Off: Cláudio Castro, Nadezhda Bocharova, Paula Mora, Pedro Moldão

 

Elenco: António Fonseca, Beatriz Maia, Isabel Abreu, Marco Mendonça, Pedro Gil, Romeu Costa, Rui M. Silva, Sara Barros Leitão

 

Sinopse: Esta família mata fascistas. É uma tradição antiga que cada membro da família sempre seguiu. Hoje, reúnem-se numa casa no campo, no Sul de Portugal, perto da aldeia de Baleizão. Uma das jovens da família, Catarina, vai matar o seu primeiro fascista, raptado de propósito para o efeito. É um dia de festa, de beleza e de morte. No entanto, Catarina é incapaz de matar ou recusa-se a fazê-lo. Estala o conflito familiar, acompanhado de várias questões. O que é um fascista? Há lugar para a violência na luta por um mundo melhor? Podemos violar as regras da democracia para melhor a defender? Entretanto, surge por vezes o fantasma de uma outra Catarina, a ceifeira Catarina Eufémia que foi assassinada em 1954, em Baleizão, durante a ditadura fascista. Catarina Eufémia aparece durante a noite, enquanto a família dorme, para conversar com o fascista de 2028 que aguarda o seu destino.

 

19
Abr21

BAILADO: Não Canteis a Valsa (Cine-Teatro Avenida, Castelo Branco/ 21 Abril, 20h30)

Dd Não Canteis a Valsa.jpg

 
"NÃO CANTEIS A VALSA, três cadernos em dueto" é um bailado inter-artístico, concebido para cinco bailarinos e dois pianistas, que propõe um modelo performativo híbrido onde se dissipa a fronteira entre bailado e concerto. Um diálogo vivo entre música e dança que tem como ponto de origem as Melodias Rústicas Portuguesas de Fernando Lopes-Graça e que convoca a imagética intensa e perturbadora da artista visual Helena Almeida.
 
 
Complementando o bailado integral está a ser desenvolvida, pelo realizador Miguel Munhá, uma obra de videodança, que será utilizada na vertente educativa do projecto, bem como em circulação por diversos contextos (festivais de cinema e imagem, mostras de vídeos, etc). A estreia de "Não Canteis a Valsa" está marcada para dia 21 de Abril, no Cine-Teatro Avenida, em Castelo Branco, seguindo depois para Beja (Maio), Bragança (Setembro), Ponte de Lima e Alcobaça (ambos em datas ainda a definir).
 
 
Dança em Diálogos é uma companhia de bailado fundada em Janeiro de 2018, sob a Direcção Artística de Solange Melo e Fernando Duarte, e que tem como objectivo principal a apresentação de espectáculos de dança em todo o território nacional, procurando responder aos desafios da arte contemporânea e desenvolvendo uma plataforma de criação coreográfica que visa uma articulação profunda entre a dança e as diversas expressões artísticas, assim como entre as múltiplas linguagens que a compõem.
 
 
Solange Melo estudou na Escola de Dança do Conservatório Nacional. Chegou a Bailarina Principal da Companhia Nacional de Bailado em 2012. De 2005 a 2007, foi bailarina Solista no Ballet Nacional da Noruega. Faz parte do seu repertório a interpretação de bailados incontornáveis do universo clássico e também tem dançado um vasto repertório neo-clássico e contemporâneo, de Balanchine, Christopher Wheeldon, Paul Lightfoot/ Sol Léon ou Olga Roriz.
 
 
Fernando Duarte estudou na Academia de Dança Contemporânea de Setúbal. Em1995/96 foi bailarino estagiário na CeDeCe Companhia de Dança Contemporânea. Ingressou na Companhia Nacional de Bailado em 1996, onde foi Bailarino Principal. Em 2005/2007 foi Solista no Ballet Nacional da Noruega. De 2011 a 2017, foi Mestre de Bailado e Ensaiador na CNB. Foi-lhe atribuído o Prémio de Dança Anna Mascolo, em 2018, pela Mirpuri Foundation.
 
 
Duarte Pereira Martins é licenciado em piano pela Escola Superior de Música de Lisboa. Fundou o MPMP, mantendo agora o cargo de coordenador de projectos e produção. Premiado em diversos concursos de piano, apresenta-se regularmente em concerto por todo o país e estrangeiro. Lecciona actualmente na Escola Artística de Música do Conservatório Nacional.
 
 
Philippe Marques iniciou os estudos musicais no Conservatório Regional Silva Marques. Em 2006 ingressou no Conservatório Nacional de Lisboa, completando o Curso de Piano com 20 valores. Lecciona actualmente no Conservatório de Música da Metropolitana, na Escola Profissional Metropolitana e na Escola Artística de Música do Conservatório Nacional.
 
Um bailado inter-artístico, produzido pela companhia DANÇA EM DIÁLOGOS.
19
Abr21

ESTREIA TV: Mulheres em Portugal (RTP1 - 21h00)

Mulheres em Portugal

 

Autoria: Juliana Santos, Marta Curado

Realização: Ricardo Freitas

 

Sinopse: Uma série documental de dois episódios, conduzida por Carlos Daniel, que visa reflectir sobre o que é ser mulher em Portugal e identificar as suas oportunidades e desafios.

 

Ser mulher, hoje, em Portugal. Que oportunidades? Que desafios? A RTP e a Fundação Francisco Manuel dos Santos procuram responder a estas questões analisando o caminho percorrido pelas mulheres portuguesas nos últimos 40 anos.


Em "Mulheres em Portugal", traça-se o retrato da condição feminina através das estórias de vida de oito mulheres. Apoiada na intervenção de especialistas, e reforçado por inúmeros dados estatísticos, a série documental aborda temas essenciais para esta reflexão que conta, também, com o suporte científico da Professora Anália Torres.

 

Desigualdades em ambiente profissional, enquadramento legal, trabalho não pago, violência doméstica e o contexto socio-económico são algumas das dimensões exploradas. Um retrato das mulheres em Portugal em 2021.

 

Segunda (19) e quinta (22), às 21h00, na RTP1.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub