Sábado, 14 de Outubro de 2017

Moda Lisboa

 

A LUZ de Lisboa serviu de mote à edição da ModaLisboa que, pela primeira vez, teve um título em português. Um título forte, vibrátil, eléctrico e abrangente. Porque a LUZ quando nasce é para todos. O melhor da produção de moda nacional iluminou o Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, numa homenagem ao capital criativo da moda e à cidade, através duma luz criativa que nunca se apaga. Uma luz que é, simultaneamente, tendência e talento, reflexo e reflexão. Uma luz que ilumina o caminho e estimula as ideias, uma fonte de inspiração, fluxo de energia e razão de debate.

 

A ModaLisboa realizou-se de 5 a 8 de Outubro, no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa. Este domingo, a RTP1 exibe um programa de 30 minutos com as melhores propostas da moda nacional para a Primavera/Verão 2018.



publicado por Alma Lusa às 16:53

Atletismo: Rock´n´Roll Maratona e Meia Maratona 2017

 

Este domingo, a RTP1 transmite a Rock´n´Roll Maratona e a Meia-Maratona 2017. 


A Maratona começa às 8h00 em Cascais e tem uma distância de 42.195 metros. Os participantes atravessam a estrada Marginal, seguem junto às margens do rio Tejo, atravessando locais de Património Mundial, e acabam nas encantadoras ruas de Lisboa.


A Meia-Maratona tem uma distância de 21.095 metros, começa na Ponte Vasco da Gama, às 10h30, e oferece vistas deslumbrantes. 

 



publicado por Alma Lusa às 16:16
Sexta-feira, 13 de Outubro de 2017

zoom

 

Alfredo Marceneiro, nome artístico de Alfredo Rodrigo Duarte, nasceu a 25 de Fevereiro de 1891, em Lisboa, e faleceu na mesma cidade, a 26 de Junho de 1982, com 91 anos de idade. É um dos maiores nomes do Fado. 

 

 



publicado por Alma Lusa às 15:42

A Moral Conjugal

 

Ano: 2012

Realização e Argumento: Artur Serra Araújo

Música: Pedro Marques

 

Elenco: São José Correia, José Wallenstein, Dinarte Branco, Maria João Bastos, Catarina Wallenstein, Miguel Costa

 

Sinopse: Manuela (São José Correia), uma sensual delegada de propaganda médica, percorre os caminhos da infidelidade e envolve-se em casos fugazes com médicos com quem trabalha. Oscila entre o sonho de viver um grande amor e a vida de conforto que leva com o seu namorado Abel (José Wallenstein), ausente em frequentes viagens. Entre o impulso adúltero e a dependência emocional, Manuela vê-se numa situação descontrolada. Octávio (Dinarte Branco), um médico com quem se envolveu, tem um ataque de ansiedade e suicida-se no carro que pertence ao companheiro de Manuela, um terrorista romântico que jamais perdoará uma traição. Para esconder do ciumento e violento namorado a longa história de traições e interesses, Manuela entra numa escalada de desespero e mentiras para evitar as consequências.

 

Durante vários momentos, esta poderia ser uma história sobre um triângulo amoroso, mas não chega a sê-lo. Cada vez que se apaixona, Octávio deixa-se preencher por uma ansiedade crescente que acaba por resultar em pânico. Espontaneamente, vem a tornar-se na linha mágica de Manuela, uma delegada de propaganda médica com tendência para resgatar médicos. O terceiro vértice é ocupado por Abel, um terrorista romântico que faz questão de ser honesto. Três personagens, encaixadas numa cidade em depressão e a procurar conviver com a consciência individual. Assumem alternadamente o protagonismo, para que possamos conhecer a frente e as costas de cada um. Por aqui, não se encontram soluções perfeitas, nem caracteres imaculados. O imprevisto deixa de o ser e torna-se na consequência óbvia da perversão moral.

 

Segunda longa-metragem de Artur Serra Araújo, vencedora do Prémio Especial do Júri no Fantasporto 2012, "A Moral Conjugal" é uma comédia negra romântica.

 

 

 



publicado por Alma Lusa às 15:29

Pedro e Inês

 

Realização: Rui Simões

Produção: Companhia Nacional de Bailado

Música: Arvo Part, Philip Glass, LTJ Buken, Blixa Bargeld

Cenário: João Mendes Ribeiro

Figurinos: Mariana Sá Nogueira

Desenho de Luz: Cristina Piedade

 

Coreografia: Olga Roriz

Intérpretes: Henriett Ventura, Carlos Pinillos, Ana Lacerda, Christian Schwarm, Mário Franco, Didier Chazeau, Alexandre Fernandes, Andreia Pinho, Margarida Pimenta, Alba Tapia, Clare Figgins, Irina de Oliveira, Paulina Santos, Rui Alexandre, Jon Ugarriza, Ediz Erguç, Xavier Carmo, Kursat Kiliç, Pedro Mascarenhas, Freek Damen, Frederico Gameiro, Filipa Pinhão

 

Sinopse: A história do amor de Pedro e Inês é revisitada num extraordinário bailado da coreógrafa e bailarina portuguesa Olga Roriz, interpretado pela Companhia Nacional de Bailado.

 

Olga Roriz retrata de forma memorável a lenda que imortalizou o par romântico do imaginário português, a eterna paixão entre o príncipe e a bela dama Inês, um amor proibido pelo pai do monarca, o Rei D. Afonso IV, que acabaria em assassinato, vingança e posterior coroação de Inês como Rainha de Portugal. 

 

Numa dança que mistura paixão, entrega, desespero e tensão, um casal de bailarinos move-se sobre um espelho de água, que representa a Quinta das Lágrimas, em Coimbra, onde D. Pedro se encontra secretamente com a nobre galega para fugir aos olhares dos que viam aquele amor como uma ameaça à soberania nacional.


Pedro perdeu-se de amores por Inês, a dama de companhia da sua futura mulher D. Constança. Uma paixão contrariada pelo pai, o rei D. Afonso IV. Depois da morte da princesa, D. Pedro pôde finalmente unir-se ao seu grande amor. Mas o romance era criticado pela corte e o rei acabou por ordenar a morte de Inês. Louco de dor, D. Pedro liderou uma revolta contra o rei, nunca perdoando o pai pelo assassinato da sua amada. Quando assumiu a coroa, D. Pedro mandou prender e matar os assassinos de Inês, arrancando-lhes o coração. Depois, mandou desenterrar o corpo de Inês, sentou-a no trono e, perante todo o povo português, corou-a Rainha de Portugal e obrigou os nobres a beijar a mão da sua amada.


Um magnífico bailado sobre um tema histórico português a lembrar o drama de Romeu e Julieta, "Pedro e Inês" é uma coreografia original de Olga Roriz para a Companhia Nacional de Bailado, que recebeu o Prémio Almada 2003 atribuído pelo Instituto das Artes. 


Uma história "mortal e imortal, cheia de segredos transparentes, de meandros obscuros, de interesses privados, poder, defesas, fronteiras e, sobretudo, de uma louca e incondicional paixão". (Olga Roriz)


Espectáculo gravado em Novembro de 2004, no Teatro Camões, em Lisboa.

 



publicado por Alma Lusa às 15:20

terra mil sorrisos.png

 

Realização: Ângelo Rodrigues

 

Sinopse: Em Junho de 2016, o actor português Ângelo Rodrigues esteve em Moçambique numa experiência de voluntariado para a Associação Helpo. 

 

O documentário "A Terra dos Mil Sorrisos", realizado por Ângelo Rodrigues, narra-nos os pormenores da estadia de um mês do actor na Ilha de Moçambique. O documentário retrata a experiência do actor como professor de aulas de expressão dramática a crianças, bem como do grupo de teatro do Centro Infantil da Ilha de  Moçambique, construído pela Helpo em 2010.

 

Além disso, Ângelo Rodrigues deu formação aos educadores de infância e formadores do Centro para que também eles fossem capazes de desenvolver exercícios com as crianças que lhes permitissem treinar competências na área da linguagem, da criatividade, da expressão de emoções ou de outras capacidades sociais como a empatia.

 

O documentário "A Terra dos Mil Sorrisos" está disponível no YouTube e tem tido um grande sucesso. Estreia agora em televisão, este sábado, às 16h35, na RTP África.

 

angelo rodrigues.jpg

 



publicado por Alma Lusa às 15:02

 

Ano: 2016

País: França/ Portugal

Realização: Benoît Jacquot (França)

Argumento: Julia Roy (a partir do romance "O Corpo Enquanto Arte" do escritor norte-americano Don DeLillo)

Produção: Paulo Branco (Alfama Films, Leopardo Filmes)

Locais filmagens: Lisboa, Monchique, Praia da Marinha (Lagoa)

 

Elenco: Mathieu Almaric, Julia Roy, Jeanne Balibar, Victoria Guerra, Elmano Sancho, José Neto, Rui Morisson, Hugo Pedro, Diogo Andrade

 

Sinopse: Laura e Rey vivem numa casa à beira-mar.
Ele é cineasta, ela cria "performances" em que é a actriz.
Rey morre – acidente, suicídio? – , deixando-a só nesta casa.
Mas depressa ela deixa de estar sozinha.
Está lá alguém. É Rey, que está lá por ela e para ela, como um sonho mais longo que a noite, para que ela sobreviva.

 

O filme "Até Nunca" é uma co-produção entre França e Portugal e foi integralmente rodado em Portugal, por uma equipa técnica maioritariamente portuguesa. Realizado pelo francês Benoît Jacquot, e com produção do português Paulo Branco, tem um elenco composto por actores franceses e portugueses. Nos actores lusos, temos Victoria Guerra ("Marie"), Elmano Sancho (o produtor), José Neto (o proprietário), Rui Morisson (o animador do Cineclube), Hugo Pedro (o jornalista) e Diogo Andrade (um amigo nos funerais).

 



publicado por Alma Lusa às 10:28

Missa, Bênção e Adeus à Virgem

 

Transmissão das Cerimónias de Fátima relativas à celebração do 13 de Outubro, no ano em que se comemora o Centenário das Aparições de Fátima.

 

A 13 de Maio de 1917, Nossa Senhora terá aparecido a três pastorinhos - Lúcia, Jacinta e Francisco - tendo as aparições repetido nos cinco meses seguintes. A última aparição aconteceu a 13 de Outubro de 1917.

 

Para ver em directo, a partir das 10h00, na RTP1 e na TVI.



publicado por Alma Lusa às 08:42
Quinta-feira, 12 de Outubro de 2017

alguem como eu.jpg

 

Realização: Leonel Vieira

Argumento: Pedro Varela, Adriana Falcão (Brasil) e Tatiana Maciel (Brasil)

Director de Fotografia: Luís Branquinho

Director de Som: Vasco Pedroso

Música original: Instituto Produtora (Brasil) e Sonora Produtora (Brasil)

Produção: Stopline Films, Gullane Entretenimento (Brasil)

Locais rodagem: Lisboa, Óbidos, Rio de Janeiro

 

Elenco: Paolla Oliveira (Brasil), Ricardo Pereira, José Pedro Vasconcelos, Sara Prata, Júlia Rabello (Brasil), Arlindo Lopes (Brasil), José Martins, Paulo Pires, Eduardo Madeira, Manuel Marques, Dânia Neto, Irene Ravache (Brasil), Raimundo Cosme, Ângela Pinto, José Mateus, Luís Oliveira

 

Participação Especial: Mariza

 

Sinopse: Helena, uma jovem mulher brasileira de 30 anos, toma uma decisão que mudará o resto da sua vida: viver em Lisboa, ser solteira, independente e indisponível. Mas como todos nós, Helena não controla o destino e dá de caras com o homem da sua vida. Aquilo que parecia ser um ano longe de aventuras amorosas e, apenas, de puro enriquecimento pessoal, transforma-se num louco e imprevisível teste à inteligência emocional. O maior problema é quando Helena pede a Deus uma preciosa ajuda: ela só queria um homem mais parecido com ela. Isso passa a ser uma combinação de duas coisas: um homem e uma mulher. Será que Helena está preparada para uma relação a três?

 

 

 

Leonel Vieira nasceu em 1969, em Miranda do Douro, filho de pai espanhol e mãe portuguesa. Estudou Design, História da Arte e Técnicas de Pintura na Escola de Arte Árvore, no Porto, e, em seguida, ingressou no Curso de Cinema da Escuela Superior de Artes y Espectaculos TAI, em Madrid. Leonel Vieira é produtor e realizador de vários filmes. Para televisão, realizou as séries "Ballet Rose - Vidas Proibidas", "Segredo", "Conexão" e "Tempo Final", todas exibidas pela RTP1, e o telefilme "Mustang", exibido na SIC. Com a sua produtora, Stopline Films, realiza trabalhos para cinema, tv e publicidade.

 

Filmografia:

 

Alguém como Eu (2017)

O Leão da Estrela (2015)

O Pátio das Cantigas (2015)

Arte de Roubar (2008)

Julgamento (2007)

Um Tiro no Escuro (2005)

A Selva (2002)

A Bomba (2002)

A Sombra dos Abutres (1999)

Zona J (1998)



publicado por Alma Lusa às 10:59

A-Floresta-das-Almas-Perdidas-poster-pt.jpg

 

Realização e Argumento: José Pedro Lopes

Música: Emanuel Grácio

Produção: Anexo 82 Produções (Ana Almeida)

Locais de Rodagem: Serra do Caramulo, Porto, Vila do Conde, Zamora (Espanha), Rússia

 

Elenco: Daniela Love, Jorge Mota, Mafalda Banquart, Lígia Roque, Tiago Jácome, Lília Lopes, Débora Ribeiro

 

Sinopse: No local mais triste do mundo, dois estranhos conhecem-se. Mas um deles está feliz por estar ali. Numa floresta remota do interior de Portugal, conhecido pela prática do suicídio, Ricardo (Jorge Mota) conhece Carolina (Daniela Love). Ele é um pai de família que não consegue lidar com a morte da filha. Ela é uma jovem adulta que adora literatura e música obscura e acha que tudo o que é a morte é divertido.

 

Fimando em preto e branco entre Portugal, Espanha e a Rússia, "A Floresta das Almas Perdidas" é um cruzamento de géneros, com um conto de terror dentro de um drama sobre a chegada à idade adulta

 

Prémios: Melhor Filme da Competição Panorama do Fantástico no FANT Bilbao 2017 - Festival de Cinema Fantástico de Bilbau (Espanha)

 

Melhor Realizador no Triple Six 2017 - Festival de Cinema de Terror de Manchester (Reino Unido)

 

 

 

José Pedro Lopes nasceu no Porto, em 1982. Estudou Gestão de Empresas e Produção de Cinema. Depois de trabalhar em Marketing e Comunicação, decidiu dedicar-se à sua verdadeira paixão: a realização. É produtor e realizador, em ficção, documentários e publicidade. "A Floresta das Almas Perdidas" é a sua primeira longa-metragem.

 

Filmografia:

 

A Floresta das Almas Perdidas (2017)

Segmento "Macho" de World of Death (curta-metragem, 2016)

M Is For Macho (curta-metragem, 2013)

Variações sobre a Europa (curta-metragem documental, 2013)

To Every Captive Soul (curta-metragem, 2012)

Survivalismo (curta-metragem, 2011)

O Risco (curta-metragem, 2011)

 



publicado por Alma Lusa às 10:31
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO