Quarta-feira, 01 de Março de 2017

Budda.jpg

 

Concerto de Apresentação

Centro Cultural de Belém, Lisboa (2 Março, 21h00)

 



publicado por Alma Lusa às 16:15

graça morais.jpg

 

Esta quarta-feira, 1 de Março, a Fundação Champalimaud, em Lisboa, inaugura a exposição "Ressonâncias: da voz e dos ecos".

 

São mais de 100 obras de Graça Morais, uma das maiores pintoras portuguesas, que reflectem três décadas de um trabalho centrado no figurativo e no ser humano.

 

Graça Morais nasceu em Março de 1948, na aldeia do Vieiro, concelho de Vila Flor, região de Trás-os-Montes. O seu trabalho une a região onde nasceu ao universo global. 

 



publicado por Alma Lusa às 15:52

graça morais 2.JPG

 

O desenho, mais do que a pintura - que na obra de Graça Morais frequentemente se indistinguem, combinam ou sobrepõem - radicou sempre como actividade dorsal em todo o processo de criação.


Ao longo de mais de quarenta anos de carreira artística, a sua obra tem vindo a evoluir numa constante reinvenção, experimentação e até revisitação de temas e abordagens anteriores, ao mesmo tempo que vem mantendo, numa polaridade de opções e estratégias visuais, a unidade e a singularidade de uma obra que não pára de nos surpreender. Prova disso é a genealogia dos trabalhos que agora se apresentam, na sua maioria inéditos que, não obstante o campo fragmentário de temas e intervalos temporais que os originam, têm na associação da palavra escrita ao desenho e à pintura o denominador comum.


Sem qualquer pretensão ou filiação literária, Graça Morais tem vindo a realizar um conjunto muito diverso de escritos, seja como complemento do desenho, seja extrínseco ao trabalho pictórico que, em distintas ocasiões, tomaram a forma de diário. No entanto, o registo diarístico nunca foi um acto metódico ou organizado para Graça Morais. Os seus diários vários sobrevêm, como refere, "pelo prazer de escolher cadernos, blocos, diversos papéis, que são a minha paixão. Os escritos sucedem-se sem ordem, num verdadeiro caos. Vou desenhando imagens, apontando ideias, pequenas frases."


Ocasionais e sem a continuidade própria do género, estes trabalhos acontecem usualmente fora do habitual espaço de criação, materializados em diversos cadernos e blocos de papel ou pequenas folhas soltas. São os sentidos que determinam o discurso, são o modo como a artista se interroga sobre assuntos tão diversos como os pequenos nadas do quotidiano, a arte, a condição humana ou a sua percepção do mundo.


A variação de suportes destes Diários sem Ordem é consentânea com a diversidade da gramática estilística, a que dá forma a partir do vigoroso desenho das figurações a carvão e a pastel, que combina e complementa com a palavra escrita, à qual se impõe, pelo imediatismo do gesto, uma opacificação do que é dito.



publicado por Alma Lusa às 15:30

ruy-de-carvalho-e1488299984387.jpg

 

É o grande actor português. No dia em que faz 90 anos, Ruy de Carvalho vai à Grande Entrevista com Vítor Gonçalves.



publicado por Alma Lusa às 09:48
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12

19
25

26


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO