Quinta-feira, 27 de Outubro de 2016

 



publicado por Alma Lusa às 19:14

joao_lobo_antunes.jpg

 

Faleceu esta quinta-feira, aos 72 anos, o neurocirurgião João Lobo Antunes.

 

Nascido a 4 de Junho de 1944, era o segundo de seis irmãos, entre os quais o escritor António Lobo Antunes e o médico pediatra e escritor Nuno Lobo Antunes. João Lobo Antunes licenciou-se e doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Entre 1971 e 1984, viveu em Nova Iorque, onde integrou o Departamento de Neurocirurgia do New York Neurological Institute, Columbia Presbyterian Medical Center, da Universidade de Columbia. Foi investigador bolseiro da Fundação Fullbright e da Fundação Madeson e professor associado de Neurocirurgia da Universidade de Columbia.

 

Em 1984, regressou a Portugal e tornou-se professor catedrático de Neurocirurgia da Faculdade de Medicina de Lisboa, tendo sido eleito para o Conselho Pontifício da faculdade, em 1996. Deu aulas na faculdade até 2014 e, em 2015, tornou-se professor emérito. 

 

João Lobo Antunes foi director do serviço de Neurocirurgia do Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Desempenhou diversos cargos realacionados com a área da saúde, pertenceu a diversas sociedades científicas profissionais nacionais e internacionais e recebeu vários prémios ao longo da sua carreira. É autor de diversos artigos científicos e também de vários livros

 

Em 2015, a revista canadiana Jo Lee nomeou-o como um dos dezasseis neurocirurgiões mais influentes em todo o mundo. Foi agraciado com o Prémio Pessoa (1996), Medalha de Honra do Concelho de Cascais (2001), Medalha de Mérito de Ouro do Ministério da Saúde (2003), Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique (2004), Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (2014), Prémio Nacional da Saúde (2015) e Grã-Cruz da Ordem da Liberdade (2016).

 

João Lobo Antunes era o actual presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida. Tinha quatro filhas, entre as quais a actriz Paula Lobo Antunes, e oito netos.



publicado por Alma Lusa às 18:24

quase normal.png

 

De: Brian Yorkey (texto) e Tom Kitt (música)

Tradução e Encenação: Henrique Feist

Direcção musical: Nuno Feist

Produção: ArtFeist

 

Elenco: Lúcia Moniz, Henrique Feist, Mariana Pacheco, Valter Mira, André Lourenço, Diogo Leite

 

Sinopse: Next to Normal – "Quase Normal" é um musical rock escrito por Brian Yorkey e com música de Tom Kitt. Entre os ingredientes principais de um musical que vão desde a comédia ao drama, conta a história de uma mãe que luta contra a sua bipolaridade e os efeitos que esta doença e as tentativas da sua cura tem sobre a família. O musical também se debruça sobre outras temáticas como a perda, suicídio, uso de drogas, as éticas da psicologia moderna e o submundo da vida suburbana. O musical estreou-se Off Broadway em 2008 e venceu o prémio dos Outer Critics' Circle Award para Best Score (Melhor Partitura) bem como duas nomeações para os Drama Desk Awards nas categorias de Melhor Actriz e Melhor Partitura... Após a sua temporada Off-Broadway, foi apresentado na Arena Stage em Washington até finalmente chegar à Broadway em 2009. Foi nomeado para 11 Tonys vencendo 3 – Melhor Partitura, Melhor Orquestração e Melhor Actriz. Venceu também o Prémio Pulitzer para Drama em 2010 sendo o oitavo musical de sempre a receber esta honra. É unanimamente considerado um "poderoso musical rock que lida com questões de doenças mentais numa família suburbana, alargando assim a panóplia de assuntos que podem ser explorados em musicais".

 



publicado por Alma Lusa às 16:11

pedrocarvalho_escravamae.jpg

 

Pedro Carvalho na telenovela brasileira "Escrava Mãe" 

 

O actor português Pedro Carvalho está nomeado, na categoria Revelação Masculina, nos prémios Extra de Televisão, do jornal brasileiro Extra.

 

Pedro Carvalho foi nomeado pelo seu papel na telenovela "Escrava Mãe", da Rede Record, onde interpreta o português Miguel, pai da Escrava Isaura. Ainda recentemente, este papel deu ao actor português um prémio na área da representação nos Portuguese Brazilian Awards 2016, que decorram em Nova Iorque, nos EUA. 

 

A votação para os Prémios Extra de Televisão está aberta ao público, no site do jornal Extra  e a cerimónia de entrega dos prémios terá lugar no próximo dia 22 de Novembro, no Rio de Janeiro. 

 

Depois de ter protagonizado a telenovela brasileira "Escrava Mãe", Pedro Carvalho voltou para Portugal e entrou na série juvenil "Massa Fresca", da TVI. Actualmente, está a gravar a telenovela "Ouro Verde", para o mesmo canal.

 



publicado por Alma Lusa às 15:41

 

Faleceu esta quinta-feira, aos 69 anos de idade, o locutor de rádio, jornalista, e actual Provedor do Telespectador da RTP, Jaime Fernandes.

 

Jaime Fernandes nasceu a 23 de Junho de 1947, em Lisboa. Ainda adolescente, deu voz a alguns trabalhos radiofónicos na Emissora Nacional e, após o 25 de Abril de 1974, iniciou a sua carreira profissional no Rádio Clube Português, de cuja administração fez parte eleito pelos trabalhadores. 

 

É um dos nomes mais importantes da rádio em Portugal, tendo sido locutor, jornalista e realizador em várias estações de rádio nacionais, como a RDP, Rádio Comercial, Rádio Renascença ou RFM.  Entre muitos outros projectos, foi o criador da estação de rádio Antena 3 (do grupo RDP) e autor do nome do popular programa da RFM "Oceano Pacífico". 

 

Mas a sua carreira não esteve só ligada à rádio. Foi administrador da RTP em 2000 e 2001, tendo exercido, entre outros cargos, o de director de programas da estação de televisão pública. Realizou ainda a série documental "Estranha Forma de Vida - Uma História da Música Popular Portuguesa", exibida na RTP1, em 2011 e 2012.

 

Jaime Fernandes ocupou cargos de direcção nas antenas internacionais da RTP e era, desde 2013, o Provedor do Telespectador da RTP e, enquanto tal, apresentava o programa A Voz do Cidadão, emitido aos sábados, na RTP1.



publicado por Alma Lusa às 14:34

reforma agraria.jpg

 

Realização: Margarida Metello

 

Sinopse: Para uns foi a maior conquista da Revolução, para outros um roubo promovido pelo próprio Estado. Mais de 40 anos depois do 25 de Abril, a Reforma Agrária continua a dividir os portugueses que a viveram dos dois lados da barricada: trabalhadores e proprietários.

 

Uma reforma agrária implica sempre a transferência da terra de, pelo menos, uma classe social para outra ou outras. Em Portugal, no ano de 1975, praticamente todo o Alentejo e as grandes propriedades do Ribatejo mudaram de mãos: mais de um 1 milhão e 200 mil hectares de terra foram ocupados por trabalhadores rurais e, mais tarde, expropriados ou nacionalizados. Apesar das proporções que atingiu, a reforma agrária portuguesa não foi dirigida pelo Estado central, não resultou de uma acção programada, não foi feita a regra e esquadro com data e hora marcadas. Foi um processo, fruto da iniciativa dos agentes e grupos sociais e políticos mais activos em cada herdade ou freguesia que contaram com o apoio cúmplice de um poder volátil e da passividade impotente dos proprietários.


Hoje, revertidas que foram todas as expropriações, já não restam vestígios da reforma agrária, apenas as memórias dos seus protagonistas. São eles que tomam a palavra para contar a sua história da implantação da reforma agrária em Portugal, entre 25 de Abril de 1974 e o 25 de Novembro de 1975, nesta série documental de 2 episódios: "A Sede da Espera" (27 Outubro) e "Um Homem Só Não Vale Nada" (3 Novembro).



publicado por Alma Lusa às 10:36
Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

16

23

30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO