Sábado, 30 de Julho de 2016

 

Concerto de homenagem a José Duarte e aos 50 anos do seu programa de rádio Cinco Minutos de Jazz, na sala principal do Teatro São Luiz, em Lisboa.

 

O concerto inclui a revelação dos galardoados com o Prémio de Jazz Zé Duarte, criado por Henrique Cayatte e apoiado pela RTP.

 

 

José Duarte

 

 



publicado por Alma Lusa às 19:40
Sábado, 30 de Julho de 2016

douro internacional.jpg

 

Sinopse: No Nordeste de Portugal, onde um dos grandes rios da Península Ibérica entra em território português, está uma das regiões mais selvagens e inóspitas do nosso país. O Rio Douro cravou o seu lugar por entre o planalto transmontano, formando as grandes escarpas que se erguem do seu leito. Esta fantástica e deslumbrante paisagem é hoje o lar de algumas nas nossas espécies de animais mais icónicas e ameaçadas e grande parte dela constitui o magnífico Parque Natural do Douro Internacional.

Fique a conhecer o Douro, como nunca antes, e explore a nossa fronteira selvagem.

 



publicado por Alma Lusa às 19:02
Sexta-feira, 29 de Julho de 2016

QFeioAma.jpg

 

No passado dia 26 de Janeiro, o Centro Cultural de Belém, em Lisboa, recebeu um espectáculo de homenagem ao actor e encenador António Feio, falecido em 2010.

 

Este sábado, e quando se assinalam 6 anos da sua morte, a SIC transmite o espectáculo de homenagem "Quem Feio Ama", que juntou um grupo de actores e músicos para homenagear António Feio. Sempre lembrado como uma referência incontornável da comédia portuguesa, é precisamente com comédia, emoção e música que se faz esta homenagem.

 

Companheiros e amigos juntos "ao jeito de António Feio". Com música, risos e emoção, "Quem Feio Ama" é um espectáculo que conta com a presença de Aldo Lima, Bruno Nogueira, Marco Horácio, Miguel Guilherme, Nuno Lopes, Maria Rueff, Virgílio Castelo, Ana Bola, António Jorge Gonçalves, António Machado, a Companhia Olga Roriz, Eduardo Madeira, Fernanda Serrano, Filipe Homem Fonseca, Jorge Mourato e Sónia Aragão. Destaque ainda ao actor que mais vezes contracenou com António Feio, José Pedro Gomes.

 

António Feio faleceu a 29 de Julho de 2010, aos 55 anos de idade. 

 

antonio feio.jpg

 

António Feio (1954 - 2010) 

 



publicado por Alma Lusa às 16:14
Sexta-feira, 29 de Julho de 2016

LINHA FRENTE RTP.png

 

O próximo Linha da Frente destaca quatro mulheres empresárias que testemunham as razões do seu sucesso em Portugal.

 

Leonor Freitas aumentou as suas vinhas de 60 para 500 hectares, em apenas doze anos, erguendo o império de vinhos Casa Ermelinda Freitas. Sandra Correia explica como deu a volta à crise na sua empresa de cortiça. Fátima Lopes recorda o seu biquini de diamantes. E Ana Luísa Roque revela o seu dia-a-dia de empresária de porcelanas.

 

São quatro mulheres, Nascidas para Vencer, que se afirmam num mundo dominado por homens.

 

Para ver este sábado, às 20h45, a seguir ao Telejornal, na RTP1.



publicado por Alma Lusa às 16:09
Sexta-feira, 29 de Julho de 2016

albuquerque121.jpg

 

Filipe Albuquerque 

 

A sétima prova da temporada do Blancpain GT Series, quarta da Endurance Cup, leva os concorrentes à floresta das Ardenas, na Bélgica, para a discussão da sua maior clássica: as 24 Horas de Spa-Francorchamps.

 

O globetrotter Filipe Albuquerque é um dos portugueses a participar, ao volante do Audi R8 #3 da WRT,  na companhia dos menos experientes brasileiros Sérgio Jimenez e Rodrigo Batista. O outro português é Francisco Guedes, como habitualmente ao volante de um Ferrari 488 da AF Corse, com Peter Mann e Rino Mastroiani. 

 

 

O Eurosport 1 vai transmitir em directo as primeiras horas da corrida na tarde de 30 de Julho, às 16h30, e depois a fase final da mesma no domingo, 31 de Julho, às 11h15.

 

FranciscoGuedesSpa215.jpg

 

Francisco Guedes 

 

 


publicado por Alma Lusa às 15:43
Sexta-feira, 29 de Julho de 2016

Viagem-Medieval-Sta-Maria-Feira_660x371.jpg

 

 

http://www.viagemmedieval.com/

 

 

A XX Viagem Medieval em Terra de Santa Maria decorre de 27 de Julho a 7 de Agosto, no centro histórico de Santa Maria da feira, e vai recriar episódios do reinado de D. Dinis.

 

D. Dinis, o Plantador de Naus (séculos XIII e XIV)

 

Final do século XIII. D. Dinis é o rei de Portugal. O monarca que abriu caminhos à descoberta de novos mares, de outros mundos. "O plantador de naus" como o baptizou o poeta Fernando Pessoa, no seu livro "Mensagem", ao lembrar os pinhais que el-rei mandou plantar e que, mais tarde, seriam a pele das naus portuguesas que partiram à conquista de outros territórios na época dourada dos Descobrimentos.  

 

D. Dinis, o rei lavrador, o rei poeta, o rei trovador. Filho mais velho de Afonso III. Rei de Portugal e Algarve de 1279 até 1325, ano da sua morte. Definiu as fronteiras de Portugal no Tratado de Alcanizes. Reforçou a identidade nacional, deu brilho ao conceito de estado-nação. Criou a primeira universidade portuguesa. Casou com Isabel de Aragão que ficaria conhecida como Rainha Santa – a rainha do Milagre das Rosas.

 

O final do século XIII e o início do século XIV ficam marcados pela longa governação de D. Dinis. É um reinado assente na afirmação do poder régio e nas alianças firmadas com os reinados peninsulares: com o de Aragão, ao casar com D. Isabel, e com o de Castela e Leão com a assinatura do Tratado de Alcanizes, em que ratificou o casamento entre os príncipes herdeiros e definiu os limites territoriais entre os dois reinos.

 

Político nato, rei justo e piedoso, perspicaz e inteligente, forte e determinado. Repovoou terras, construiu muralhas e castelos, organizou o exército, criou uma força naval moderna. Nacionalizou as ordens militares, criou a nova Ordem de Cristo. A sua marca perdura no tempo, faz parte da História de Portugal.

 



publicado por Alma Lusa às 12:16
Sexta-feira, 29 de Julho de 2016

nadir_expo.jpg

 

 

O Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, em Chaves, obra do arquitecto Siza Vieira, foi inaugurado no início do mês de Julho.

 

A exposição inaugural "Nadir Afonso - Chaves para uma Obra", estará patente até ao final do ano. A primeira fase da exposição integra trabalhos do artista quando tinha apenas 15 anos e nos quais retratava rostos de familiares e elementos da cidade de Chaves, onde nasceu. Em seguida, assiste-se ao início da sua carreira como pintor surrealista passando, mais tarde, para uma abstracção mais geométrica e depois para o período barroco e egípcio. A última parte da mostra aborda imagens idealizadas das cidades. 

 

Nadir Afonso nasceu a 4 de Dezembro de 1920, em Chaves, e faleceu a 11 de Dezembro de 2013, em Cascais. Licenciado em Arquitectura, é um dos maiores nomes da pintura portuguesa. 

 

nadir-afonso_site.jpg

 



publicado por Alma Lusa às 11:47
Sexta-feira, 29 de Julho de 2016

paulo rocha

 

A RTP2 dedica as noites de sexta-feira do mês de Julho à obra de Paulo Rocha, uma das figuras fundamentais na divulgação do Cinema Novo português. Paulo Rocha foi, durante os últimos 50 anos, um autor central da moderna cinematografia portuguesa. A sua obra compõe um olhar de conjunto sobre a "portugalidade", a partir de uma série de encontros e de choques: entre o país urbano e o país rural, ou entre a modernidade cultural e as tradições populares, por vezes em diálogo com formas e expressões culturais exógenas, como sucede nos seus filmes que reflectem a presença portuguesa no Extremo Oriente e também a partir de uma vivência pessoal. Paulo Rocha foi assistente de Jean Renoir em "Le Caporal Epinglé" e um dos colaboradores de Manoel de Oliveira em "Acto da Primavera". Este mês, na rubrica Já Vi Este Filme, exibida antes e a seguir ao filme, temos como convidadas as actrizes Isabel Ruth e Teresa Tavares. 

 

Se Eu Fosse Ladrão Roubava

 

 

Ano: 2012

Realização: Paulo Rocha

Argumento: Paulo Rocha, Regina Guimarães, João Carlos Viana

Elenco: Isabel Ruth, Luis Miguel Cintra, Chandra Malatitch, Joana Bárcia, Carla Chambel, Raquel Dias, Márcia Breia, João Cardoso, João Pedro Vaz

 

Sinopse: Último filme de Paulo Rocha, no qual, partindo da memória familiar e da matéria dos seus filmes, revisita as suas origens e as referências maiores da sua vida e obra.

 

Um pequeno lavrador de S. Vicente vê o seu pai morrer com a peste que dizima o País. Alguns anos mais tarde, de todos os irmãos, Vitalino é o mais aguerrido e toma o lugar de homem da casa. Mas a aldeia onde vive é muito pequena para as suas aspirações e decide rumar ao Brasil deixando as suas irmãs encarregadas dos trabalhos da casa. Em paralelo com a história de Vitalino entramos no mundo cinematográfico de Paulo Rocha, percorrendo os seus filmes e fantasmas ao longo destes anos.

 

Partindo da memória familiar e da matéria dos seus filmes, Paulo Rocha revisita as suas origens e as referências maiores da sua vida e obra, numa construção fluida e complexa, que é conscientemente testamental embora só indirectamente autobiográfica (ele filma-se através do pai e dos personagens da sua obra). O motor inicial do filme é a evocação da infância e juventude do pai do autor, em particular o sonho obsessivo deste, na altura partilhado por muitos, de emigrar para o Brasil, para onde partiu efectivamente em 1909 (embora a cronologia verdadeira, tal como os factos e os nomes, sejam alterados, ou por vezes deslocados, em função das rimas com os outros filmes).

 

Mas este tema familiar cruza-se desde o início com o grande mundo da obra de Rocha, num puzzle de raccords temáticos que se dirige para dentro e para trás (a busca do centro, ou da origem) tanto quanto para fora (a constante ampliação de sentido, a identidade de um país). Paulo Rocha fala portanto da sua própria necessidade de partir, e da interrogação de Portugal através da distância - o tempo formativo em Paris, depois a longa estada no Japão -, assim como fala da morte, mas também da doença e de um medo tornados endémicos, corrosivos de um país. Em paralelo, vão surgindo, nos excertos dos seus filmes, grandes referências da sua obra: homens como o escritor radicado no Japão Wenceslau de Moraes (1854-1929), o poeta Camilo Pessanha (1867-1926) ou o pintor Amadeo de Souza Cardoso (1887-1918) - todos representantes de um fulgor criativo dos inícios do século tanto quanto, justamente, de uma relação problemática com o país de origem.

 

Por outro lado, "Se Eu Fosse Ladrão... Roubava" é ainda um repositório de um outro diálogo estruturante da obra de Paulo Rocha - neste caso, particularmente associado a Amadeo - em que a inspiração na cultura universal se funde com um trabalho genuíno, dir-se-ia antropológico, sobre a cultura popular portuguesa, em especial centrada na região norte do país (os pescadores do Furadouro, o vale do Douro).

 

"Se Eu Fosse Ladrão... Roubava" é o último filme de Paulo Rocha (que faleceu em Dezembro de 2012, com 77 anos).

 



publicado por Alma Lusa às 10:07
Quinta-feira, 28 de Julho de 2016

mundialito 2016.jpg

 

 

De 29 a 31 de Julho, a Praia de Carcavelos, no concelho de Cascais, recebe o Mundialito de Futebol de Praia. A edição de 2016 conta com as selecções de Portugal, Brasil, EUA e China.

 

O Mundialito de Futebol de Praia, que se disputa desde 1994, é a mais antiga competição da modalidade. O Brasil é o país com mais títulos nesta competição (12), seguido de Portugal (5), que venceu o Mundialito em 2015 e é o actual campeão mundial e europeu. 

 

A Praia de Carcavelos vai ainda receber a primeira Taça Europeia de Futebol de Praia Feminino. Além de Portugal, disputam o troféu as selecções de Espanha, Suíça, Grécia, Holanda e Inglaterra. 

 

A TVI24 transmite, em directo, todos os jogos das quatro equipas que se defrontam nesta edição do Mundialito de Futebol de Praia: Portugal, Brasil, EUA e China. A TVI transmite, em directo, os jogos de Portugal na sexta-feira e no sábado.

 

Estes são os jogos da nossa selecção:

 

Portugal x China (29 Julho, 14h25)

Portugal X EUA (30 Julho, 14h30)

Portugal x Brasil (31 Julho, 14h30)

 

No domingo, 31 de Julho, a partir das 11h30, será transmitida a I Taça Europeia de Futebol de Praia Feminino.

 



publicado por Alma Lusa às 15:45
Quinta-feira, 28 de Julho de 2016

jason bourne.jpg

 

 

País: EUA

Realização: Paul Greengrass

Elenco: Matt Damon, Tommy Lee Jones, Alicia Vikander, Vicente Cassel, Julia Stiles, Miguel Alves-Khan (Reino Unido/ Portugal)

 

Sinopse: Alguns anos após os acontecimentos de "Ultimato", e numa altura em que o mundo enfrenta grande instabilidade, o ex-agente mais letal da CIA Jason Bourne emerge inesperadamente da sombra para descobrir as verdades escondidas sobre o seu passado.

 

O filme norte-americano "Jason Bourne" tem no elenco o actor luso-britânico Miguel Alves-Khan, no papel de um Agente Athens Bravo. Filho de mãe portuguesa, Miguel Alves-Khan nasceu e cresceu em Nottingham, Inglaterra. 

 

 

Miguel Alves-Khan

 



publicado por Alma Lusa às 14:44
Julho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
16

19
20
23

24

31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO